Inicio » Mais Seções » Curiosidades » Mulheres ricas que escolhem e bancam seus homens

Mulheres ricas que escolhem e bancam seus homens

Mulheres ricas que escolhem e bancam seus homens

Há quem acredite que amor e negócios não possam andar de mãos dadas. Para essas pessoas, um relacionamento que envolva ambos chega a parecer uma afronta. A relação “sugar” (“açúcar”, traduzido do inglês) faz exatamente isso: une endinheirados a candidatos que aceitam ser mimados com presentinhos e até mesadas.

A advogada carioca Ericka Barbosa se tornou “sugar mommy” porque prefere ter o controle nas relações com pessoas do sexo oposto
A advogada carioca Ericka Barbosa se tornou “sugar mommy” porque prefere ter o controle nas relações com pessoas do sexo oposto

 

Os interessados são chamados de “sugar daddy” (homem) ou “sugar mommy” (mulher). Geralmente são pessoas maduras, ricas e bem-sucedidas. Do outro lado estão os “sugar babies”, pessoas jovens, atraentes e ambiciosas. A relação é transparente, com intenções e expectativas de ambos às claras.

Essa prática costuma envolver homens maduros e mulheres mais novas, em países como os Estados Unidos, por exemplo. Por aqui, no Brasil, é a vez de as “sugar mommies” darem as cartas. Essas mulheres, com idades entre 35 e 65 anos, usam sites que oferecem um serviço focado em encontrar homens com o perfil “baby”.

O que eles desejam é ser “patrocinados” ao frequentarem restaurantes chiques e eventos sociais, além de receberem suporte financeiro e, é claro, presentes caros, como roupas de grife e viagens. Mas fidelidade ou contato integral não são obrigatórios: o casal se encontra quando quer e quando pode.

Para se tornar uma “sugar mommy”, basta se cadastrar nos sites, fazer um perfil pessoal e escolher as melhores fotos. Depois, deve escrever algo interessante sobre si mesma, a fim de parecer atraente. Numa lista gigantesca de homens, é hora de selecionar os que mais chamam a atenção pela aparência física, dar dois cliques e pronto: é só começar o bate-papo. Para isso, há três opções de planos mensais: gratuito, premium e elite.

O primeiro permite acesso aos perfis “babies”, mas limita o número de mensagens enviadas – apenas cinco. Custando R$ 200, o premium também oferece acesso aos candidatos, troca ilimitada de mensagens e divulgação do perfil “mommy” no corpo do site. Mas quem deseja uma maior exclusividade precisa desembolsar R$ 999. As vantagens incluem divulgação do perfil na primeira página do site, além de uma busca para saber se o “baby sugar” tem alguma ficha criminal.

Razões. Controle, praticidade e conhecimento do “território” são os principais motivos para a advogada carioca Ericka Barbosa, 48, utilizar o serviço, o que ocorre há seis meses. “Não tenho mais paciência para ficar ouvindo homens mais velhos com seus complexos, acompanhados, muitas vezes, de ex-mulheres problemáticas e um monte de cobranças e satisfações”, afirma.

Divorciada há mais de 15 anos, ela conta que já se encontrou com dois “sugar babies” nesse período, sendo que a relação com o atual acontece há alguns meses. “Todos os rapazes com os quais me encontrei sabiam a realidade da situação e toparam. E o mais importante: meus dois filhos me apoiam porque sabem que estou feliz assim”, garante a advogada. Entre os presentes dados aos “sugar babies”, Ericka já deu roupas de grife, acessórios, idas a restaurantes e locais caros e auxílio para pagar a faculdade.

Seja por preconceito ou medo, nem todas as “sugar mommies” divulgam a identidade. É o caso de Patrícia, 45. Diretora financeira de uma multinacional, ela topou falar, contanto que apenas o primeiro nome fosse revelado. “Entrei em janeiro deste ano e, desde então, conheci três jovens. Com dois, durou pouco, mas saio desde junho com o último. Já dei presentes, viajamos para a Argentina, e tento ajudar financeiramente no que ele precisa”, diz. Divorciada há quase um ano, Patrícia não quer mudar. “Só tenho motivos bons para continuar vivendo dessa maneira”, diz a “sugar mommy”.

Números no Brasil

284 mil membros, entre “sugar mommies” e “sugar daddies”, sendo que, entre eles, há 275.638 heterossexuais, 6.000 homossexuais e 362 bissexuais

2.000 “sugar mommies”

190 mil “sugar babies”

92 mil “sugar daddies”

Média de idade: 42 anos para “mommies” epara “daddies”

Renda mensal:
R$ 47 mil, se for “sugar daddy”
R$ 37 mil, se for “sugar mommy”

MINIENTREVISTA

Independência financeira favorece esse tipo de escolha, diz psiquiatra e sexóloga

Carmita Abdo
Psiquiatra e sexóloga

Quais são os fatores que influenciam essa prática “sugar”? 

Primeiro, devemos saber que, na maioria das vezes em que a mulher está em uma posição de poder na sociedade, paralelamente, ela usufrui de uma condição sexual mais livre e diversificada. Isso inclui o relacionamento com homens mais jovens e, muitas vezes, a troca de parceiros, deixando a liberdade sexual fluir mais.

Essa situação sempre aconteceu?

Claro. Apesar de sabermos que, durante a história da humanidade, a mulher permaneceu em papel reduzido por muito tempo, isso não era uma situação exclusiva. Se pesquisarmos, veremos várias mulheres que, ao longo desses séculos, tentaram quebrar determinados paradigmas ao saírem de relacionamentos tradicionais – nos quais se dependia, basicamente, da figura masculina para prover o sustento – e optarem por relações com parceiros mais jovens. No entanto, não era uma prática tão visível quanto hoje, porque era apontada como algo constrangedor e vergonhoso.

A quais fatores isso poderia ser associado atualmente?

A condição de poder atual da mulher está, em sua maior parte, na independência financeira conquistada nos últimos anos. A autonomia faz com que ela busque um homem sem passado carregado de pendências com ex-mulher ou outro tipo de relacionamento, que seja atraente no sentido físico e que vá satisfazê-la mais. Outro ponto fundamental é a importância que a mulher dá à própria saúde. Ela costuma se preocupar desde cedo e se cuidar se compararmos com o comportamento masculino. Esse cuidado acaba se refletindo na escolha de homens aparentemente mais saudáveis e com maior expectativa de vida.

Por que os homens mais novos aceitam uma condição mais “subordinada”?

São pessoas que acreditam na admiração como um fator preponderante, bem como na atração pela maturidade e pela segurança emocional e financeira que as mulheres mais velhas podem oferecer. Na prática, a coisa funciona porque não há conflito nas posições assumidas. Cada um sabe exatamente o que fazer.

Além da independência financeira, a revolução tecnológica contribui para esse cenário?

Sem dúvida. As redes sociais e a internet no geral permitem o acesso a uma gama maior de faixas etárias, influenciando a possibilidade de se conviver com outras pessoas. Temos que lembrar que, até algumas décadas atrás, o convívio social das mulheres se resumia, de forma básica, ao círculo familiar e de amigos mais próximos.

Em sua opinião, qual o futuro desse tipo de relação?

Não vejo apenas esse tipo, mas outras formas de relação diversas se multiplicarem dentro da sociedade. Estamos começando a lidar com o protagonismo da diversidade em vários sentidos: seja de desejos, de sentimentos, de vontades que acabam por se reproduzir em escolhas mais livres do estilo de vida.

A mulher madura se sente mais livre?

Ela é (livre) porque vem conquistando cada vez mais espaços dentro da sociedade: seja no trabalho, em casa ou na vida amorosa. Não estão muito preocupadas com o que os outros possam pensar diante deste ou daquele comportamento. Hoje, as mulheres não têm mais tanto medo de tomarem atitudes que soariam como vergonhosas no passado. Elas se sentem livres para agir.

‘Sugar babies’ masculinos: o que eles dizem e pensam das relações

Rafael Sathler, 25, é “baby sugar”
Rafael Sathler, 25, é “baby sugar”

 

É claro que, além das “sugar mommies”, há a outra parte interessada na relação. Esse público masculino, chamado de “sugar babies”, é formado, na maior parte das vezes, por jovens com idades entre 25 e 35 anos. Geralmente, são universitários ou homens que estão no início da carreira e encontram nesse tipo de relacionamento um combo ideal. No pacote, maturidade emocional, estabilidade financeira e apoio no que for possível do outro lado.

É o que afirma o profissional de TI Rafael Sathler, 25. “Sugar baby” desde o fim do ano passado, ele explica que o momento atual de sua vida requer relacionamentos que sejam leves e produtivos. “Estou no site há quase um ano. Fiquei sabendo do relacionamento ‘sugar’ por alguns amigos que tinham ouvido falar e acabaram comentando comigo. Quando eles me explicaram o que era e como funcionava, achei bem interessante, tinha muito a ver com o que eu acreditava e procurava. Daí fui procurar o site pra conhecer mais e fiz o meu cadastro”, explica.

Sathler já conheceu duas “sugar mommies”, cujos contatos duraram pouco tempo e poucas saídas. Hoje ele se relaciona com outra mulher. “A gente tem um envolvimento maior. Ela tem me ajudado com a faculdade, porque viu que era algo que eu queria muito, mas estava com um pouco de dificuldade de pagar. Também já ganhei roupas dela, mas porque ela quis me dar”, esclarece.

Assim como algumas “sugar mommies”, há também aqueles jovens que não gostam de aparecer. O publicitário Sérgio, 26, pede para não divulgar o sobrenome, mas fala das experiências que já teve. “Sempre gostei de sair com mulheres mais velhas, então a situação é perfeita para mim. A ‘sugar mommy’ com quem estou é da mesma área que eu – comunicação – e me enriquece profissionalmente, com dicas e conselhos. Mesmo sendo divorciada e tendo dois filhos, temos uma relação ideal, na qual vivemos um dia após o outro, sem nenhum tipo de cobrança”, conta.

Negócio. A empresária Jennifer Lobo trouxe a ideia para o Brasil em 2015 com o site Meu Patrocínio, o maior do país nesse segmento. Ela diz que o mais importante em um relacionamento “sugar” é que questões financeiras são discutidas desde o início. “Os objetivos e desejos são colocados na mesa para evitar conflitos e falsas expectativas. A nossa finalidade é unir pessoas com os mesmos interesses”, pontua.

Jennifer garante que diversos cuidados são tomados para que se evite a confusão com serviços de prostituição. “O nosso sistema tem um detector de palavras-chave que identifica termos como “prostituição”, “sexo”, ou “programa”. Caso isso aconteça, um profissional do site analisará a situação e tomará a melhor decisão”, afirma.

O sucesso é tamanho que o negócio vai de vento em popa. “Em um ano, crescemos mais de 300%. Isso mostra que a mulher brasileira está mais independente e decidida”, afirma.


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeitosas e construtivas. O espaços abaixo são destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail valido).



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *