Últimas Notícias

Coluna da Jerusia Arruda – Direto de Brasília

Coluna da Jerusia Arruda – Direto de Brasília

CRIMINALIDADE NO DF

Apesar dos altos de índices de criminalidade registrados nos últimos meses, o Distrito Federal fechou outubro com a menor taxa de homicídios dos últimos 17 anos. De acordo com dados da Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social, divulgados nesta terça-feira, no acumulado de janeiro a outubro, foram registradas 400 ocorrências — 90 a menos que no mesmo período do ano passado.  Esta é a quantidade mais baixa desde 2000, quando começou a série histórica. Apesar disso, no comparado mês a mês, o número de assassinatos teve um ligeiro aumento, passando de 50 para 52 ocorrências. Segundo o documento, o DF ocupa a 22ª posição entre as outras unidades da Federação em homicídios dolosos (cometido com a intenção de matar).

DESEMPREGO ACIMA DA MÉDIA

Apesar de ter a maior proporção de jovens com alta capacidade de produção e participação no mercado de trabalho, acesso à saúde e nível de escolaridade, de acordo com levantamento do Índice dos Desafios da Gestão Estadual (IDGE), a taxa de desemprego em Brasília é superior à média nacional – 10,4% contra 9,6%. Os dados revelam ainda que a capital concentre um dos maiores percentuais de jovens qualificados e em busca de uma ocupação profissional, o mercado de trabalho não está absorvendo esta mão de obra na mesma proporção.

ACESSO À EDUCAÇÃO

O último levantamento do IDGE também mostra que, no ranking nacional, a capital federal tem a segunda menor concentração do País de jovens com idade entre 15 e 29 anos que não estudam, trabalham ou procuram emprego. O percentual é de 10,4%, sendo a média nacional 14,3%. O acesso ao ensino superior em Brasília também é o mais significativo do Brasil – enquanto a média do país é de 15,2%, na capital o percentual é de 30,9%. No ranking geral – que reúne todos os níveis de ensino, do básico ao superior – o DF figura em segundo lugar, com índice de 0,917, depois de São Paulo.

DESIGUALDADE SOCIAL

O Índice dos Desafios da Gestão Estadual (IDGE) também aponta que o Distrito Federal tem a maior renda domiciliar per capita do País, de R$ 2.133. A média nacional é de R$ 1.057. No entanto, a capital é a região com maior desigualdade de renda, com índice de 0,563. O Estado com menor taxa é Santa Catarina, com 0,422. A média no Brasil é de 0,514.

QUALIDADE DE VIDA

Os dados do IDGE revelam que o DF é a terceira unidade federativa do País com a maior expectativa de vida – de 77,8 anos -, atrás de Santa Catarina e Espírito Santo. A média nacional é de 75,5 anos. Ainda segundo o IDGE, no critério gravidez precoce (mulheres de 15 a 29 anos), enquanto a média nacional é de 12,2%, o DF tem o menor índice do País (5,9%), seguido por Santa Catarina, São Paulo e Minas Gerais.

CIRANDA DA PROPINA

A Polícia Federal realizou nesta terça-feira uma operação no sul da Bahia para apurar um esquema de fraude em licitações. A Operação Fraternos investiga prefeitos parentes entre si, responsáveis por contratos ilegais firmados nas Prefeituras de Eunápolis, Santa Cruz Cabrália e Porto Seguro. Segundo a PF, o esquema criminoso causou um rombo aos cofres públicos de aproximadamente R$ 200 milhões.

 

Jerusia Arruda
Jerusia Arruda