FENICS 2019 - ACI

Inicio » Montes Claros » Agente penitenciária acusada de matar o marido esta sendo julgada em Montes Claros

Agente penitenciária acusada de matar o marido esta sendo julgada em Montes Claros

Agente penitenciária acusada de matar o marido esta sendo julgada em Montes Claros

Está sendo julgada nesta quinta-feira (26/04/2018) a agente penitenciária Rúbia Cristine Varjão, acusada de matar o marido a facadas, no ano 2012 em Montes Claros. O julgamento começou por volta das 9h45 no Fórum Gonçalves Chaves.

O crime foi em 2012 e na época a agente disse para a polícia que Sérgio dos Reis tinha cometido suicídio.

Porém, o laudo pericial apontou que as lesões que causaram a morte dele foram cometidas por uma outra pessoa.

Familiares de Sérgio acompanham o júri e usaram faixas e cartazes para pedir a condenação da acusada.

Rúbia Cristine foi indiciada por homicídio qualificado e, se condenada, poderá pegar até 30 anos de prisão.

Relembre o caso:

Foi presa no dia (02/04/2013) a agente penitenciária suspeita de ter assassinado o marido, Sérgio dos Reis, no dia 3 de setembro de 2012, no bairro Novo Delfino, em Montes Claros.

Na época do crime, Rúbia Cristine Varjão, de 33 anos, disse para a polícia que o companheiro teria cometido suicídio. O casal, que tinha duas filhas, estava sozinho no momento do crime.

A motivação para o homicídio ainda é desconhecida, mas de acordo com as testemunhas ouvidas pela Polícia Civil, o casal costumava brigar com frequencia e já teria inclusive se separado algumas vezes.

Em 2009, um inquérito chegou a ser instaurado para investigar um suposto crime. Enquanto Sérgio dos Reis alegava que a mulher tentou matá-lo, ela dizia que ele teria tentado se matar. Na época nada ficou comprovado e o casal voltou a morar junto.

Segundo o delegado, após esfaquear o marido, a suspeita tentou simular o suicídio. “Durante a investigação policial, com depoimentos das vítimas e a partir da análise das provas, ficou comprovado de que as lesões que causaram a morte da vítima foram cometidas por uma outra pessoa”, explica.

O delegado ainda diz que a perícia do cenário do crime confirmou que houve luta corporal. Havia sinais de violência em vários cômodos da casa que demonstravam que a vítima havia sido agredida, o laudo pericial ainda apontou que a multiplicidade das lesões, com o corte da esquerda para a direita, supostamente cometido por Sérgio, que era destro, era impossível.

Crime premeditado

Alguns indícios apontaram a possibilidade de Rúbia ter premeditado o crime. Segundo informações obtidas com a Delegacia de Homicídios, a suspeita teria dopado o companheiro com um medicamento para reduzir a capacidade de defesa dele. A suspeita chegou a dizer que o marido tomada remédios, mas não soube informar quais e nem as quantidades ingeridas por ele.

Além disto, ao alegar suicídio, ela relacionou a morte do marido, com a do sogro, que se matou com um corte no pescoço, alegando que o histórico familiar teria estimulado Sérgio a acabar com a própria vida.

De acordo com o delegado Bruno Resende, Rúbia Cristine, nega que tenha cometido o assassinato e mantém a afirmação de suicídio. A suspeita foi denunciada por homicídio qualificado e a prisão foi decretada por um juíz de Montes Claros. A pena pode chegar a 30 anos de reclusão. Por motivos de segurança ela vai ficar detida em um presídio em Belo Horizonte.

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *