Vaga no Bolso

Inicio » Montes Claros » Câmara Municipal de Montes Claros instaura comissão para apurar situação da Esurb

Câmara Municipal de Montes Claros instaura comissão para apurar situação da Esurb

Câmara Municipal de Montes Claros instaura comissão para apurar situação da Esurb

A situação financeira da Empresa Municipal de Serviços, Obras e Urbanização (Esurb) e seus funcionários foi tema de discussão hoje (8/11), na Câmara Municipal de Montes Claros, durante audiência pública. O déficit atual da empresa é de quase R$20 milhões, incluindo dívidas trabalhistas. Câmara instaura comissão para acompanhar a situação.

Câmara Municipal de Montes Claros instaura comissão para apurar situação da Esurb
Câmara Municipal de Montes Claros instaura comissão para apurar situação da Esurb

 

A audiência foi proposta pelo Vereador Edmilson Magalhães (PSDB) que pontuou as dívidas da Esurb e a atual situação trabalhista dos funcionários.

“A dívida da Esurb é histórica e os prejudicados são os servidores. Na transição de prefeitos entre Tadeu Leite e Ruy Muniz a dívida era de R$8.863.078,94 milhões e de Muniz para Humberto Souto R$15.172.675,20 milhões– em relação ao INSS parcelado e ativo, débito com fornecedores e dívidas trabalhistas. Nos 22 meses de administração de Souto o valor é de R$4.580.973,15 milhões”, explicou o parlamentar.

A Esurb foi fundada em 1985, hoje conta com 240 funcionários, sendo que 166 são concursados. A empresa é pública dotada de personalidade jurídica de direito privado, patrimônio próprio e autonomia administrativa, vinculada à Prefeitura Municipal de Montes Claros. Entre as obrigações da Esurb estão, executar obras e serviços de urbanização, fabricação de produtos premoldados e efetuar obras de construção civil.

“A maior dívida da Esurb é tributária, como INSS e PIS. Devido as dívidas trabalhistas, houve um bloqueio na conta que a Prefeitura deposita o dinheiro para pagar a folha, e, por isso, o valor fica retido. O bloqueio é de R$600 mil – qualquer dinheiro que ‘cair’ na conta fica retido”, pontuou o presidente da Esurb, Sérgio Antunes.

O presidente do Sindicato dos Servidores Municipais, Flávio Célio Oliva, ressaltou que em 2015 os funcionários foram comunicados que seriam transferidos para Prefeitura, deixando de ser funcionários concursados para contratados.

“Acionamos o Ministério Público do Trabalho (MPT) sobre essa situação. Na época, o prefeito tirou um dos principais pilares da receita da Esurb, equivalente a 60% dos recursos. O MPT recomendou que os funcionários fossem reintegrados imediatamente”.

O funcionário da Esurb, Edmilson Antônio Quirino, disse que foi impedido de trabalhar por 14 meses por não aceitar a transferência.

“Não aceitei deixar meu concurso para ser contratado. O mesmo aconteceu com colegas meus que tinham mais de 30 anos de empresa e foram desligados de suas funções sem receber um tostão. Somos descentes, pais de família é preciso resolver esse problema”, pontuou Edmilson.

A procuradora adjunta de Montes Claros, Candice Diniz Pinto, destacou que em fevereiro de 2019, terá uma audiência, em que o município apresentará plano de recuperação judicial dos recursos.

O vice-presidente da Câmara, Vereador Idelfonso Saúde (MDB) pediu que fosse instaurada uma comissão composta de parlamentares e representantes da Esurb para buscar soluções para as demandas apresentadas. A comissão reunirá na segunda-feira (12/11), às 17h, no gabinete do Prefeito Humberto Souto.

AGENDA

Hoje, às 19h30, a Câmara Municipal de Montes Claros, através de iniciativa da Vereadora Graça da Casa do Motor (PHS), entrega título de Cidadão Honorário ao jornalista, Délio Pinheiro.

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *