OI TOTAL COM FIBRA
Inicio » Mais Seções » Saúde » Transplante de útero é último recurso para mulheres que nasceram sem o órgão

Transplante de útero é último recurso para mulheres que nasceram sem o órgão

Transplante de útero é último recurso para mulheres que nasceram sem o órgão

Um dos avanços mais significativos na medicina reprodutiva é, sem dúvidas, o transplante de útero. Uma a cada 4 mil mulheres nasce sem o órgão no mundo, que é essencial para a gestação de um bebê.

O transplante de útero depende de muitas variáveis, especialmente da saúde da futura mãe
O transplante de útero depende de muitas variáveis, especialmente da saúde da futura mãe

 

A indicação para a cirurgia é muito restrita, descreve Edmundo Baracat, professor titular de ginecologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). “Esta não é a primeira nem a segunda opção para mulheres que nasceram sem útero e querem ter filhos. A primeira é o útero de substituição, quando uma familiar gesta o embrião e, a segunda, a adoção”, explica.

“Para ser viável, o transplante de útero depende de boas condições de saúde da mulher”
Edmundo Baracat
Professor titular de ginecologia da Faculdade de Medicina da USP

O transplante pioneiro ocorreu na Suécia, há cerca de 10 anos. Naquela época, foi uma doadora viva quem cedeu o órgão. No Brasil, esse tipo de cirurgia começou a ser realizado em 2016 e, recentemente, nasceu o primeiro bebê gerado em um útero transplantado de uma doadora morta. O fato ocorreu no Hospital das Clínicas de São Paulo.

“É uma técnica viável, tanto de doações in vivo ou post mortem, com possibilidade de ocorrer nascimento”, diz o ginecologista João Pedro Junqueira Caetano, presidente da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana, que promoveu conferência sobre o assunto durante congresso em Belo Horizonte, na semana passada.

Apesar do aprimoramento da técnica, nos últimos anos, é preciso entender que, para o processo, há diversos fatores a serem levados em consideração, expõe o médico Edmundo Baracat.

“A mulher precisa ter congelado previamente os embriões, no mínimo oito com qualidade. Deve gozar de saúde, não sendo diabética ou hipertensa. Além disso, é interessante que a cirurgia seja feita dentro do período reprodutivo, preferencialmente até os 35 anos”, explica.

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *