PÓS-GRADUAÇÃO PUC MINHAS em MONTES CLAROS

Obtenha mais clientes com a sua ficha do Google
Inicio » Minas Gerais » Belo Horizonte » Tragédia de Brumadinho – Campanha de deputados em 2014 foi paga por mineradoras

Tragédia de Brumadinho – Campanha de deputados em 2014 foi paga por mineradoras

Tragédia de Brumadinho – Campanha de deputados em 2014 foi paga por mineradoras

Dois dos três deputados estaduais que barraram, na Comissão de Minas e Energia da Assembleia Legislativa de Minas, a proposta de aumentar o rigor para licenciamento e fiscalização de barragens no Estado, no ano passado, receberam dinheiro de mineradoras para custear a campanha eleitoral de 2014. Por conta do parecer contrário, o substitutivo apresentado pelo presidente da comissão, João Vítor Xavier, sequer chegou a ser discutido no plenário. 

Tragédia de Brumadinho - Campanha de deputados em 2014 foi paga por mineradoras
Tragédia de Brumadinho – Campanha de deputados em 2014 foi paga por mineradoras

Conforme matéria publicada no dia de hoje, Thiago Cota (MDB), Tadeu Martins Leite (MDB) e Gil Pereira (PP) votaram contra a mudança na legislação em vigor. O único voto favorável foi o do autor da proposta, escrita com a ajuda do Ministério Público (MP), do Ibama e de ONGs ligadas à questão ambiental.

De acordo com a prestação de contas informada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o deputado Thiago Cota recebeu R$ 113,2 mil de mineradoras nas eleições de cinco anos atrás. O montante é 10% do valor total arrecadado pela campanha dele. As doações incluem um extinto braço da Vale, a Vale Manganês.

O parlamentar é filho de Celso Cota, ex-prefeito de Mariana que teve o mandato cassado meses antes de a cidade ser assolada após o rompimento da Barragem de Fundão, em novembro de 2015. A estrutura é de propriedade da Samarco, que tem a Vale entre as controladoras.

Também em 2014, a campanha de Gil Pereira recebeu R$ 17,6 mil de empresas do segmento de mineração, sendo R$ 15,4 mil da Vale Minas do Azul S/A. O valor corresponde a 15% do total arrecadado na época.

Os dois deputados também integravam a Comissão Extraordinária de Barragens da Assembleia Legislativa, formada após a tragédia de Mariana.

Outros 22 parlamentares compunham o grupo e apenas três não receberam verba de mineradoras nas campanhas de 2014, conforme o TSE.

Pelas redes sociais, Thiago Cota disse que o parecer contrário ao substitutivo foi “construído por meio de amplo diálogo com todos os envolvidos nessa temática da atividade minerária, inclusive com o Ministério Público”. Também disse que procurou contemplar medidas eficazes que promovam a segurança das barragens.

Gil Pereira, também em publicação na internet, afirmou que votou contra porque “havia um projeto de lei melhor, elaborado em conjunto com o Ministério Público Estadual, Ibama, Secretaria de Meio Ambiente e entidades representativas”.

Procurados diversas vezes pelo Hoje em Dia, por telefone e e-mail, os dois deputados não retornaram os pedidos de entrevista. Tadeu Martins Leite também foi procurado para explicar o motivo do veto ao substitutivo, mas não retornou até o fechamento desta edição.

A Vale, principal financiadora das campanhas, foi procurada, mas não se manifestou.

*As informações são do Portal Hoje em Dia.

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *