FENICS 2019 - ACI

Obtenha mais clientes com a sua ficha do Google

Inicio » Esporte » Copa do Brasil » A dois dias do clássico, Polícia Civil cumpre mandados na sede do Cruzeiro

A dois dias do clássico, Polícia Civil cumpre mandados na sede do Cruzeiro

A dois dias do clássico, Polícia Civil cumpre mandados na sede do Cruzeiro

A dois dias do clássico entre Cruzeiro e Atlético pela Copa do Brasil, a Polícia Civil deflagrou  uma operação de busca e apreensão direcionada à investigação de denúncias sobre falsificação de documento particular, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro que tem como investigados membros da diretoria do Cruzeiro, além de empresários e representantes da maior torcida organizada do clube celeste. A operação é mais um passo do inquérito instaurado pelas autoridades policiais, que reforçam a vigilância sobre as práticas executadas pelo Cruzeiro.

A dois dias do clássico, Polícia Civil cumpre mandados na sede do Cruzeiro
A dois dias do clássico, Polícia Civil cumpre mandados na sede do Cruzeiro

 

Os policiais civis se reuniram por volta de 6h da manhã no Departamento Estadual em Investigação de Fraudes. Às 6h30, os policiais se reuniram para definir os últimos detalhes da operação. Eles saíram em pelo menos oito carros sem conversar com a reportagem de O Tempo. Os carros deixaram a delegacia pouco antes de 7h30.

Recorde o caso 

A crise no Cruzeiro eclodiu com reportagem exibida no Fantástico, da Rede Globo, no dia 26 de maio. Os repórteres Gabriela Moreira e Rodrigo Capelo tiveram acesso a um inquérito policial que, baseado em um balancete contábil analítico, demonstrou pagamentos feitos pelo clube no decorrer de 2018 onde há indícios de denúncias sobre falsificação de documento particular, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. A reportagem ainda teve acesso a contratos e planilhas com mais de 200 páginas, com evidências de quebra de regras da Fifa e da CBF, além do Profut, por parte da diretoria do Cruzeiro.

Um dos casos relatados mostra um contrato mútuo de empréstimo entre o Cruzeiro e o empresário Cristiano Richard dos Santos Machado, não licenciado na CBF. Ele formalizou um empréstimo de R$ 2 milhões ao clube. Como garantia, o time celeste repassou a Cristiano porcentagens de direitos desportivos de 10 jogadores, dentre eles o menor Estêvao Willian, de apenas 12 anos, apelidado de Messinho.

A prática de repasse de direitos a terceiros foi proibida pela Fifa e atletas só podem assinar seus primeiros contratos profissionais a partir dos 16 anos. Por conta da prática, o Cruzeiro pode ser punido pela Fifa ou CBF com a proibição de transferir jogadores e de registro de novos atletas.

No âmbito policial, um caso que chama a atenção é a utilização de uma empresa de fachada chamada AV & S Consultoria Desportiva Ltda. No balanço obtido pela Polícia Civil consta um pagamento de até R$ 369 mil no decorrer de 2018. A empresa possui três finalidades: “agenciamento de profissionais para atividades esportivas, culturais e artísticas”, “extração de madeira em florestas plantadas” e “comércio varejista de madeira e artefatos”. Porém, o local onde está localizado o endereço da empresa, na cidade de Itamarandiba, a 400 km de BH, está desocupado.

A principal torcida organizada do Cruzeiro, a Máfia Azul, também está na mira da Polícia Civil pelo pagamento de valores por parte do clube de patrocínio à chamada “TV Máfia Azul”. No balanço, quem recebe os valores é Daniel Gomes Sales, conhecido como Quik, diretor da organizada. O valor chega a R$ 88 mil recebido no decorrer de 2018.

Implicações

Os conselheiros do Cruzeiro também foram acusados de omissão. Eles estariam sendo “comprados” pela atual gestão do Cruzeiro com ingressos, convites em festas do clube e camisas. A situação causou um grande mal estar no conselho deliberativo, sendo precisa a presença de Zezé Perrella, presidente do concílio, para tentar reunir as partes discordantes. Como efeito cascata, todos os conselheiros fiscais do Cruzeiro, responsáveis por analisar as contas, renunciaram aos seus cargos, sendo necessária uma eleição para uma nova composição administrativa.

O presidente Wagner Pires de Sá e seus apoiadores, Sérgio Nonato, diretor geral, e Itair Machado, vice-presidente de futebol, passaram a ter seus cargos questionados, os dois últimos por seus altos salários e comissões que ultrapassavam milhões. Torcedores e uma ala de conselheiros pediram a renúncia dos diretores, fato que só será decidido no dia 5 de agosto, quando uma reunião extraordinária do conselho vai definir a situação do atual presidente Wagner Pires de Sá, optando por sua sequência no clube ou a saída.

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *