FENICS 2019 - ACI

Obtenha mais clientes com a sua ficha do Google

Inicio » Esporte » Copa do Brasil » Copa do Brasil – Clássico de momentos opostos pela Copa do Brasil. Quem leva a melhor no duelo mineiro?

Copa do Brasil – Clássico de momentos opostos pela Copa do Brasil. Quem leva a melhor no duelo mineiro?

Copa do Brasil – Clássico de momentos opostos pela Copa do Brasil. Quem leva a melhor no duelo mineiro?

De um lado, uma equipe em crise fora de campo, sob o impacto das investigações da Polícia Civil sobre eventuais irregularidades administrativas de seus dirigentes. E que, nos gramados, vem de uma sequência de nove jogos sem vitória, ainda que técnico e jogadores desmintam qualquer relação com o ambiente conturbado. Para completar, três jogadores saíram e um dos principais reforços (o meia Rodriguinho) terá de ser submetido a cirurgia.

Mano espera fim da sequência negativa diante da torcida. Já Rodrigo faz primeiro jogo como técnico efetivo
Mano espera fim da sequência negativa diante da torcida. Já Rodrigo faz primeiro jogo como técnico efetivo

 

Do outro, um time que repetiu o filme do ano passado apostando em um interino que assumiu num momento delicado (as finais do Mineiro); viu algumas de suas peças criticadas crescerem e conseguiu digerir a eliminação na primeira fase da Libertadores, além de ganhar reforços e opções.

Não fossem as duas equipes Cruzeiro e Atlético, e ficaria claro para qualquer um quem estaria em melhor momento para uma partida pelas quartas de final da Copa do Brasil.

Mas a história quase centenária do clássico é repleta de exemplos de favoritismo teórico derrubado na hora em que a bola rola; vitórias surpreendentes e atuações capazes de desmentir qualquer lógica; que, no futebol, aliás, é fato raro.

Por isso mesmo, a torcida celeste promete comparecer em peso ao Mineirão hoje, às 20h, quando será maioria no jogo de ida. E tanto os atletas quanto o técnico Mano Menezes prometem não só deixar em segundo plano o que acontece nos bastidores, como também recuperar o futebol do primeiro trimestre, que valeu o título mineiro e a segunda melhor campanha na Libertadores.

Peças-chave para o bom desempenho do conjunto estrelado, Robinho e Thiago Neves prometeram uma postura à altura de um confronto que vale o sonho do hepta (tri consecutivo), mas também um cheque de R$ 3,6 milhões, que pode chegar a R$ 61,8 milhões em caso de novo título.

O primeiro, aliás, reconheceu a necessidade de voltar a mostrar sua versatilidade e poder ofensivo, que andaram sumidos na sequência antes da pausa para a Copa América. Assim como uma defesa que começou o ano elogiada e hoje é a mais vazada do Brasileiro, com 16 gols sofridos, ao lado da do Fluminense.
Fiel às convicções, Mano prefere apostar em Ariel Cabral como segundo volante, com Lucas Romero (cuja saída é cogitada, com propostas do futebol argentino) mantido na lateral-direita. E Marquinhos Gabriel deve ser o escolhido para jogar à frente, ao lado de Fred. Sem o gol qualificado, uma vitória em seus domínios se torna ainda mais importante para a Raposa.

Tranquilidade

Pelo lado alvinegro, tranquilidade é a palavra de ordem. A começar pelo comandante, que deixou o time na sexta posição do Brasileiro ainda como interino e voltou da parada efetivado.

O retorno do venezuelano Otero; as chegadas do lateral esquerdo uruguaio Hernández e do volante paraguaio Martínez ampliaram o leque de opções para um grupo até então limitado neste aspecto. E o crescimento do futebol de Patric, Chará e Alerrandro trouxe otimismo e confiança ao torcedor, que certamente vai lotar o Independência na próxima quarta.

Quem leva a melhor no clássico? A resposta com o deuses do futebol ao longo dos 180 (ou mais) minutos das duas partidas.

CRUZEIRO x ATLÉTICO

Copa do Brasil (quartas de final, jogo de ida)

Cruzeiro

Fábio; Lucas Romero, Léo, Dedé e Egídio; Henrique, Ariel Cabral, Robinho e Thiago Neves; Marquinhos Gabriel (Pedro Rocha) e Fred
Técnico: Mano Menezes

Atlético

Victor; Patric, Réver, Igor Rabelo e Fábio Santos; Zé Welison, Elias, Cazares e Chará; Luan e Alerrandro
Técnico: Rodrigo Santana

Estádio: Mineirão

Horário: 20h

Arbitragem:  Raphael Claus, auxiliado por Marcelo Carvalho Van Gasse e Danilo Simon Manis, todos de São Paulo. VAR: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral (SP)

TV: Premiere

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *