/>MG - Operação resgata 59 funcionários em condição de trabalho análogo à escravidão em Minas Gerais | Jornal Montes Claros

Casa das Apostas Online Betway

Últimas Notícias

Curso Instalador Energia Solar

MG – Operação resgata 59 funcionários em condição de trabalho análogo à escravidão em Minas Gerais

MG – Operação resgata 59 funcionários em condição de trabalho análogo à escravidão em Minas Gerais

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informou que uma fiscalização foi feita em conjunto por auditores-fiscais do trabalho e agentes da Polícia Rodoviária Federal, no período de 19 e 28 agosto. A operação resgatou 59 trabalhadores em condição de trabalho análogo à escravidão no interior de Minas Gerais.

MG - Operação resgata 59 funcionários em condição de trabalho análogo à escravidão em Minas Gerais
MG – Operação resgata 59 funcionários em condição de trabalho análogo à escravidão em Minas Gerais

 

Segundo as informações do ministério, os trabalhadores estavam em cafezais nos municípios de Campos Altos e Santa Rosa da Serra, ambos localizados na região do Alto Paranaíba. Eles retiravam o resto do café manualmente.

No entanto, a fiscalização constatou que os funcionários não tinham a Carteira de Trabalho e Previdência Social assinada, além de não receberem pelo trabalho nem o pagamento proporcional ao salário mínimo.

Além disso, os funcionários não recebiam equipamentos de proteção individual para realizar as atividades. No local, não tinha água potável, instalações sanitárias e lugar adequado para refeições.

O ministério ainda disse que o trabalho foi encerrado e que foram emitidos os requerimentos de Seguro-Desemprego especial. A indenização do valor e o pagamento de julho ultrapassam R$ 90 mil.

O Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) foi firmado com os donos das duas fazendas, incluindo a previsão de pagamento de dano moral individual e coletivo devido a submissão das vítimas ao trabalho análogo à escravidão.

O proprietário de uma das fazendas pagou R$ 363 mil a título de dano moral individual e R$ 500 mil para dano moral coletivo. Já a segunda fazenda foi ajustado o pagamento de R$ 5 mil em dano moral individual.

Aviso

  • • Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.
  • • Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *