Empréstimo Consignado para aposentados, pensionistas do INSS

Últimas Notícias
Casa das Apostas Online Betway

Companheiros dos seres humanos desde a Antiguidade, presença de gatos nas mídias é inevitável

Companheiros dos seres humanos desde a Antiguidade, presença de gatos nas mídias é inevitável

Não é nova a luta dos seres humanos contra os parasitas que vez ou outra entram em nossas casas. Insetos, répteis, anfíbios e até mamíferos que antes dominavam os espaços hoje ocupados por nossos lares em alvenaria, vez ou outra fazem uma “visita” aos nossos cômodos para nos lembrar que a natureza tem o seu lado belo, e o seu lado às vezes meio assustador.

Logo procuramos maneiras de nos proteger desses invasores. O fogo, além de servir para cozinhar a carne da caça, era uma excelente ferramenta para afastar alguns desses animais. E era possível também usar alguns dos animais mais dóceis e fiéis em nosso favor, domesticando esses bichos e tornando-os companheiros de caça e de luta contra as “pragas”.

O cachorro é o símbolo-mor dessa relação amigável entre a natureza e o ser humano, uma vez que os caninos foram os primeiros animais a serem domesticados pelo homo sapiens. Mas não podemos deixar de lado os felinos, que podem ser caçadores e companheiros do dia a dia tão efetivos quanto.

O começo da relação entre humanos e gatos é motivo de discussões até hoje. Por um lado acredita-se que fomos atrás dos gatos por eles se mostrarem caçadores muito eficientes contra animais que nos empesteavam – algo que fazemos até hoje, chegando a confundir filhotes de grandes gatos com o nosso felis catus. Outro lado da teoria é que os gatos chegaram até nós por conta dos parasitas e perante a abundância de comida que tinham em nossas tribos, aldeias e cidades, resolveram assim se instalar nos lugares onde vivíamos.

Seja lá qual for a teoria preferida, o fato é que gatos são hoje parte vital de centenas de milhões de casas mundo afora. Não assusta que essa presença acabou se tornando uma forte inspiração para várias peças midiáticas nos últimos anos, com artistas e autores querendo demonstrar seu amor pelo animal em grandes homenagens culturais.

Gatos na mídia

O musical Cats é visto como um dos musicais mais inusitados do ramo. Composto por Andrew Lloyd Webber e baseado n’O Livro dos Gatos Práticos do Velho Gambá, escrito por T.S. Elliot e lançado pela escritora Assírio & Alvim no Brasil, ele conta a história de um grupo de gatos chamados Jellicles. Em uma noite, estes gatos se reúnem para fazer a “escolha Jellicle” onde toma-se a decisão de qual destes gatos atingirá o paraíso dos bichanos – localizado na capa de Kennelly-Heaviside, que se localiza em nossa ionosfera entre 80 e 140 km de altura – e voltará ao mundo para ter uma nova vida.

Ainda que a trama não seja a força do espetáculo, sua forma inusitada de figurino e suas músicas tornaram-se grande sucesso de bilheteria nos circuitos teatrais como a Broadway nos Estados Unidos, e a West End na Inglaterra. O musical ganhou também adaptação para os cinemas, dirigida por Tom Hooper – que também guiou a adaptação de outro musical, Les Misérables – e distribuída pela Universal. Entretanto as escolhas visuais de Hooper foram altamente questionadas pelo grande público, e o filme com orçamento de 100 milhões de dólares acabou arrecadando apenas 75 milhões nas bilheterias.

Além dos musicais e dos filmes, os gatos aparecem em outros âmbitos quiçá inesperados do mundo de entretenimento. No ramo de cassinos, as máquinas de slot/caça-níquel são conhecidas por tomarem inspiração em diversas temáticas. Uma delas são os gatos que aparecem em jogos disponibilizados na Casinos.pt como Kitty Glitter e Cats, de forma gratuita e também disponível em versão mobile. O primeiro jogo, desenvolvido pela IGT, apresenta vários tipos diferentes de gatos domésticos para ilustrar suas rodadas. Enquanto que o segundo jogo, também da IGT, apresenta grandes felinos do mundo como a nossa onça-pintada, o tigre asiático e o leão da savana africana.

Nos videogames, os nossos felinos ganham destaque de forma constante. Jogadores de Persona 5, jogo para PlayStation 4 desenvolvido e lançado pela Atlus no ano passado, tiveram a gata Morgana como grande ajudante na trama dos “Phantom Thieves”. E um gato será o protagonista do jogo Stray, desenvolvido pela BlueTwelve Studio, que é a aventura de um gato perdido em uma cidade futurista.

Política pública para gatos (e cães)

Gatos (e cães) são tratados como “nobreza” em nossas casas, e também são alvo de boas políticas públicas em âmbito de saúde. Já há alguns anos, a cidade de Montes Claros vacina mais de 60 mil animais em campanhas de prevenção à raiva, sendo que a cidade possui pouco mais de 400 mil habitantes. Em comparação, a cidade do Rio de Janeiro possui quase 7 milhões de habitantes, e disponibilizou 500 mil vacinas em sua última campanha contra a raiva – uma proporção duas vezes menor que a de Montes Claros (15% versus 7,1% de cobertura).

Montes Claros também oferece regularmente feiras de adoção de animais, tanto gatos quanto cães. Algo que serve como uma iniciativa excelente para promover o controle de zoonoses uma vez que estes animais muitas vezes já vêm castrados, vacinados e vermifugados, mesmo quando filhotes, além de também servir como um combate aos criadores de animais com fins meramente lucrativos.

E Minas Gerais é também casa de alguns dos grandes felinos das Américas. A onça-parda e a onça-pintada são vez ou outra encontradas em cidades principalmente no lado oeste de Minas Gerais, que são cobertas pelo cerrado onde vivem essas espécies.

Logo vê-se que é difícil se desvencilhar dos felinos, mesmo quando não se é grande fã dos mesmos. Em nossas casas e também na mídia, os bichanos chegaram para ficar.

Quer saber as notícias do Jornal Montes Claros em primeira mão? Siga-nos no Facebook @jornamoc, Twitter @jornalmoc e Instagram @jornalmoc.