Últimas Notícias

Montes Claros – Unimontes será parceira do projeto Recicla aos Montes e receberá base para coleta seletiva em grande volume

Montes Claros – Unimontes será parceira do projeto Recicla aos Montes e receberá base para coleta seletiva em grande volume

Montes Claros – O campus-sede da Unimontes terá uma base para o recolhimento permanente de materiais recicláveis e, com o volume gerado, a instituição ajudará no aspecto social como possibilidade de renda para as famílias de catadores e, ainda, na manutenção das associações deste segmento oficialmente regulamentadas pelo município.

Montes Claros - Unimontes será parceira do projeto Recicla aos Montes e receberá base para coleta seletiva em grande volume
Montes Claros – Unimontes será parceira do projeto Recicla aos Montes e receberá base para coleta seletiva em grande volume Foto: Ascom Unimontes

 

A proposta preliminar da parceria foi apresentada pelo projeto “Recicla aos Montes”, gerido pela Prefeitura Municipal de Montes Claros por meio da Secretaria de Serviços Urbanos. O coordenador do projeto, Luis Carlos Sampaio, esteve em visita ao reitor Antonio Alvimar Souza, nessa segunda-feira (11/1), para apresentar detalhes da iniciativa. O acordo será formalizado mais adiante pelo prefeito Humberto Souto e pelo vice-prefeito e secretário de Serviços Urbanos, Guilherme Augusto Guimarães.

Pela Universidade, o trabalho envolverá a Pró-Reitoria de Planejamento, Gestão e Finanças e a Diretoria de Gestão de Campi. Segundo o reitor, a equipe ajudará com o suporte logístico e a possibilidade de montagem de novas bases em outras unidades da Unimontes, como Centro de Educação Profissional e Tecnológica (CEPT) e o Museu Regional do Norte de Minas (MRNM).

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente é outra parceira prevista na ação, com a oferta de um treinamento do setor de educação ambiental aos servidores da Universidade que estarão diretamente envolvidos na ação.

COMO SERÁ

Conforme a proposta inicial, o campus-sede receberá a instalação de três bases, chamadas de “porta-bags” – que se parecem com um grande cesto portátil de metal – para a destinação correta de plástico, papel e metais, separadamente. Periodicamente, as “bags” (sacolas em inglês) serão recolhidas pela equipe projeto e levadas para uma das quatro associações de catadores já oficialmente cadastradas pelo projeto, que fazem a triagem dos resíduos como adequação à venda para reciclagem.

A aquisição dos “porta-bags” e das “bags” no projeto “Recicla aos Montes” conta com o apoio de três empresas: Alpargatas, Café 3 Corações e o grupo Coteminas. As bases também estão em 41 condomínios de prédios e de casas da cidade, que são cadastrados pelo projeto para o recolhimento seletivo.

Atualmente, Montes Claros conta em média cerca de 120 catadores que estão ativos nas associações no recolhimento e na separação e preparação dos materiais para a comercialização com as empresas especializadas na reciclagem. Mas o número de envolvidos é bem maior, com aproximadamente 850 pessoas já cadastradas e que, gradativamente, serão incluídas no projeto.

VOLUME

Luis Carlos Sampaio justificou a escolha da Unimontes como parceira do projeto diante do histórico da instituição em assumir causas sociais, de contribuição com a qualidade de vida e com o meio ambiente, além do aspecto humano de valorizar as famílias que vivem na condição de catadores.

Segundo ele, a população de Montes Claros produz, em média, 250 toneladas de lixo residencial por dia e algo próximo a sete mil toneladas/mês. “O trabalho já identificou que, cerca de um terço deste volume, ou seja, 2,4 mil toneladas, é passível de ser reciclável, podendo sustentar o projeto e gerar renda”, acrescenta o coordenador.

Hoje, cada associação regulamentada recebe do município R$ 5 mil/mês como subsídio e R$ 95,38 como incentivo por meta de cada tonelada de lixo reciclável retirada de circulação. “A intenção é justamente esta: incentivar cada vez mais a educação ambiental com a coleta seletiva e, dessa forma, reduz da melhor maneira o volume de resíduo que iria para o aterro sanitário”, explica Luis Carlos Sampaio.