POS ON-LINE PUC MINAS

Midi: o modelo de vestido perfeito para dias quentes

Dê mais charme e feminilidade ao visual com peças em comprimento midi.

Os dias quentes de verão pedem trajes leves e de tecidos fluidos. Saias e vestidos soltinhos configuram ótimas pedidas para todas as ocasiões. Contudo, algo se destaca na moda verão este ano: o comprimento das peças midi, que vai até o meio da canela, chama a atenção do público feminino pelo charme e discrição. Esqueça o longo e abandone o curtinho.

Um século de sucesso

O comprimento midi nasceu durante a Primeira Guerra Mundial, quando vestidos e saias “subiram um pouquinho” para dar melhor mobilidade às mulheres. Como muitas estavam ingressando no mercado de trabalho, roupas mais versáteis se fizeram necessárias.

Foi em 1947, durante o pós segunda guerra, que o comprimento midi conquistou adeptas. Com a escassez de tecido e a necessidade de movimento, Christian Dior decidiu criar uma coleção que fosse até abaixo dos joelhos.

O comprimento midi é, portanto, caracterizado por saias que ficam acima dos tornozelos e abaixo dos joelhos, deixando apenas uma faixa de pele de fora. Na época do lançamento de Dior, muitas consumidoras ficaram horrorizadas com a ousadia do estilista. Outras, diferentemente, acharam o máximo e ajudaram a tornar o comprimento um ícone de sofisticação e feminilidade.

Corte em A

A maioria das peças em comprimento midi tem saia em formato evasê, ou “A”, com cintura ajustada e barra que se abre em volume. A peça pode ser feita em tecido fluido e ganha ainda mais destaque no modelo plissado, que é clássico e atemporal.

Dependendo da estampa e do tecido usados, o comprimento midi pode dar um ar sofisticado ou despojado para o look. Tecidos estruturados, como tafetá e cetim, podem ser usados em vestidos de noite elegantes e bastante clássicos, que podem ser usados de dia ou à noite.

Tecidos fluidos e moles, como viscose e algodão, combinados com estampas coloridas e divertidas, tornam o look perfeito para usar durante o dia no trabalho ou em um passeio.

Biotipo

Alguns biotipos acabam se destacando mais no uso do comprimento midi. Mulheres altas, por exemplo, tendem a usar o traje com mais frequência do que as baixinhas.

É que o comprimento midi tende a achatar a silhueta, dando a impressão de que a mulher tem um corpo um pouco mais compacto.

A saia, mais volumosa, também pode ajudar a destacar os quadris mais largos, dando a impressão de que esta parte do corpo é maior, o que não condiz com a realidade.

Não significa, no entanto, que a peça esteja proibida! Na moda, não existe isso: todo mundo pode usar o que quiser, basta saber como.

Para as baixinhas, investir em listras verticais ou cores contrastantes em cima e embaixo pode dar a sensação de alongamento.

Já aquelas com corpo mais curvilíneo, a dica é optar por cores mais sóbrias e escuras, e estampa delicada e miúda.

Outra dica preciosa é investir na cintura marcada, seja por cinto, faixa ou variação de cor. Isso ajuda a valorizar e até a criar a curva no corpo, valorizando-o.

Nos pés, sandálias Anabela e de salto alto ajudam a deixar o visual ainda mais elegante e feminino.

Para o dia, sapatilhas e rasteirinhas podem ser usadas sem medo, lembrando que vão deixar o visual mais urbano e menos fashion.

Um blazer acinturado, um bolero de renda, ou tricô, ou um casaquinho de linha também ajudam a compor um visual retrô e ultra-feminino!