Inicio » Minas Gerais » Belo Horizonte » MG – Preso em baile funk homem que se passava por policial civil

MG – Preso em baile funk homem que se passava por policial civil


Reviewed by:
Rating:
5
On 14 de julho de 2014
Last modified:14 de julho de 2014

Summary:

MG - Preso em baile funk homem que se passava por policial civil

Hebert dos Passos de Paula, de 34 anos, foi preso após se passar por policial civil. Ele estava em um baile funk, na região da Pampulha, em Belo Horizonte, quando foi abordado e detido.
 
Conforme a Polícia Militar, na madrugada de domingo (13) a corporação recebeu a informação do evento que estava sendo realizado na rua Leopoldo Campos Nunes. A festa, segundo a denúncia, era organizada por traficantes.
 
No local, os policias desconfiaram da atitude de quatro homens que estavam em um Toyotta Corolla. Um dos homens se identificou como sendo detive da Polícia Civil, mas como o selo do veículo estava rompido levantou a suspeita dos militares.
 
Após consulta no sistema de segurança, os policiais constataram que o carro era clonado e havia sido roubado no dia 23 de abril. Foi pedida a identificação funcional do suspeito, que apresentou documentação falsa. Depois, ele confessou seu verdadeiro nome. Ele foi autuado por receptação, uso de documento falso e adulteração de veículo.
 
O Corolla foi removido e o suspeito levado para a Delegacia de Plantão do Detran. Os outros três homens falaram que só estavam acompanhando o suspeito, mas alegaram que não sabiam do crime.

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeitosas e construtivas. O espaços abaixo são destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail valido).