FENICS 2019 - ACI

Inicio » Internacional » América » EUA – Grávida com câncer recusa tratamento para salvar o filho

EUA – Grávida com câncer recusa tratamento para salvar o filho

EUA – Grávida com câncer recusa tratamento para salvar o filho.

Kathy conseguiu dar à luz em setembro, mas o bebê morreu após duas semanas. Ela faleceu em seguida, na véspera deste ano novo.

Kathy Taylor, norte-americana de 34 anos, recusou tratamento quando descobriu que estava com câncer. O motivo: grávida, ficou com medo de prejudicar a saúde de seu filho. Dias depois, contrariando as expectativas do médico, ela conseguiu dar à luz. O bebê, no entanto, nasceu prematuro e morreu após duas semanas. Kathy morreu em seguida.

Imagem retirada do blog de Kathy Taylor
Imagem retirada do blog de Kathy Taylor

De acordo com o The West Australian, a mulher foi diagnosticada com a doença em agosto, quando estava gestante de 26 semanas de seu sexto filho. Ele se chamaria Luke. Conforme o câncer se espalhava pelo seu corpo, ela disse aos médicos que não faria nenhum tratamento na tentativa de salvar o bebê.

Imagem retirada do blog de Kathy Taylor
Imagem retirada do blog de Kathy Taylor

Devido ao frágil estado de saúde, a norte-americana – que, segundo os médicos, teria poucos dias de vida – foi obrigada a dar à luz pouco tempo depois do diagnóstico. Luke nasceu em setembro, prematuro de 14 semanas, mas não resistiu a uma infecção e morreu após duas semanas. Kathy morreu em sua casa na véspera deste ano novo.

“Quando eu percebi que ela tinha ido, agarrei seu corpo entre meus braços. Eu não conseguia acreditar. Fiquei tão triste, estava dormindo no momento em que ela morreu, não estava com ela. Aquilo já era um adeus”, escreveu Nathan, marido de Kathy, em um blog na internet.

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *