Publicidade

Inicio » Economia » Preço dos hortifrútis pode subir até 50% nos sacolões

Preço dos hortifrútis pode subir até 50% nos sacolões

A produção de alimentos ficou prejudicada com a estiagem. No Cinturão Verde da Região Metropolitana de Belo Horizonte, agricultores estão colhendo até 50% menos hortaliças em relação a janeiro de 2014. A queda na oferta começa a se refletir na alta dos preços. Segundo representantes do setor, as folhosas e legumes podem subir até 50% nos sacolões.

Preço dos hortifrútis pode subir até 50% nos sacolões
Preço dos hortifrútis pode subir até 50% nos sacolões

“A tendência é aumentar o preço, mas os produtos já estão carinhos”, afirma o presidente da Associação dos Horticultores de Rio Manso, Vanilson de Sousa.

“A dona de casa vai pagar mais caro pelo preço da alface. Com a queda de produção, o preço das verduras pode aumentar”, diz o horticultor Valter Matias Fernandes, de 31 anos. “Faltar na mesa é a última coisa que a gente espera que aconteça”. Ele arrenda 9 hectares, mas plantou apenas 2 hectares por falta de água. “Dentro de 15 dias, se não chover, vou parar tudo”.

“Por enquanto, os preços estão sob controle, mas a situação é complicada”, admite o chefe da Seção de Informações de Mercado da Ceasa, Ricardo Fernandes Martins. Além da seca, também influenciam na alta de preços a entressafra de vários produtos e a demanda aquecida de compradores vindos de outros estados.

“O calor eleva o consumo de frutas, verduras e legumes para o preparo de sucos e saladas. A culpa do aumento de preços não pode ser atribuída unicamente à estiagem”, diz Fernandes.

Por outro lado, a Copasa vê problemas na captação de água para produção agrícola, feita em oito mananciais no Sistema Serra Azul, que está quase no volume morto. O superintendente de produção da empresa, Mauro Diniz, afirma que é raro encontrar cultivos irrigados por gotejamento, considerado o mais econômico.

Na maioria das propriedades, segundo Diniz, a irrigação das culturas é feita por aspersão ou por sulcos, o que gera desperdício de água. Contudo, em Igarapé, horticultores que captam água desses mananciais queixam-se das dificuldades: a falta de chuva adiou o plantio, reduziu a área plantada, elevou o custo da produção e gerou desemprego.

Vanilson conta que parte dos agricultores está plantando porque tem irrigação. Os demais, aguardam as chuvas. “O inhame está na safra, mas pimentão e berinjela estamos carregando muito pouco para vender no Ceasa. Não tem água para molhar”.

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *