Últimas Notícias

Desemprego sobe a 6,9% em junho, maior taxa para o mês desde 2010, diz IBGE

Desemprego sobe a 6,9% em junho, maior taxa para o mês desde 2010, diz IBGE
Desemprego sobe a 6,9% em junho, maior taxa para o mês desde 2010, diz IBGE

.

O desemprego chegou a 6,9% em junho, a maior taxa para o mês desde 2010, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Naquele ano, o desemprego em junho foi de 7%.

Na comparação com maio deste ano, quando foi de 6,7%, o desemprego cresceu 0,2 ponto percentual, resultado considerado estável pelo instituto. Em relação a junho de 2014, quando era de 4,8%, o aumento foi de 2,1 pontos percentuais.

.

Os dados foram divulgados pelo IBGE nesta quinta-feira (23) e fazem parte da PME (Pesquisa Mensal de Emprego). A PME é baseada nos dados das regiões metropolitanas de Recife, Belo Horizonte, São Paulo, Salvador, Rio de Janeiro e Porto Alegre.

O IBGE não considera desempregado quem não tem trabalho ou procurou algum nos 30 dias anteriores à semana em que os dados foram coletados.

Junho teve corte de 111,2 mil de vagas

Segundo o Ministério do Trabalho, o Brasil fechou 111.199 vagas de trabalho com carteira assinada em junho, o pior resultado para o mês desde 1992. Os dados foram divulgados no último dia 17 e são baseados no Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

Programa para evitar mais demissões

Na última quarta-feira (22), começaram a valer as regras para empresas aderirem ao Programa de Proteção ao Emprego, lançado pelo governo. Empresas em crise econômica poderão reduzir a jornada e o salário dos funcionários temporariamente em até 30%. O governo deve bancar metade desse valor reduzido do salário com recursos do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), com limite de até R$ 900,84.

.

Para participar do programa, as empresas devem comprovar que estão em crise e conseguir a aprovação do sindicato que representa os trabalhadores. Os funcionários não poderão ser demitidos durante o tempo que estiverem no programa. No final do período, o vínculo trabalhista deve ser mantido ainda pelo prazo equivalente a um terço do período da adesão.

.