Últimas Notícias

Coluna do Aldeci Xavier – Preto no Branco

Coluna do Aldeci Xavier – Preto no Branco

MUDANÇA NO GOVERNO

Mesmo não tendo bola de cristal, a coluna mais uma vez saiu na frente ao anunciar, com dois meses de antecedência, as mudanças que aconteceriam na Secretaria de Estado de Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas Gerais (Sedinor). Este jornalista chegou a citar nomes, mas nem mesmo pessoas próximas ao Governo levaram a informação a sério, entendendo que seria apenas uma nota para desestabilizar os dirigentes da secretária. Ontem foram confirmadas todas informações, inclusive do nome do ex-prefeito de Serro, Epaminondas Pires de Miranda para a Sedinor em substituição a Gustavo Xavier. Vale lembrar que a coluna também anunciou a saída do atual diretor do Idene, Ricardo Campos, o que também ficou acertado. Até o fechamento da coluna o nome do novo titular da pasta ainda não havia sido divulgado, mas nos bastidores do Palácio Tiradentes o nome citado foi do montes-clarense, Jean Oliveira.

 

RESPONSÁVEIS PELA MUDANÇA

Ontem pela manhã, este jornalista conversou com o deputado estadual Tadeu Martins Leite (PMDB) sobre o assunto e este não escondeu que, de fato ele, e o deputado federal Gabriel Guimarães (PT) foram os responsáveis pela indicação do novo secretário de Estado de Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas (Sedinor). Salientou que desde a saída do deputado Paulo Guedes, o órgão foi dirigido interinamente por Gustavo Xavier. Tadeuzinho não confirmou o nome de Jean Oliveira para o Idene, mas deixou claro que tanto ele como o deputado Gabriel levaram ao governador Fernando Pimentel o descontentamento pela atuação de Ricardo Campos. Ele citou inclusive que a região perdeu alguns programas, porque o titular do Idene não prestou conta de convênios.

 

GUEDES E AS MUDANÇAS

Numa análise tranquila, dentro do ponto de vista político, é possível afirmar que as mudanças na Sedinor foram uma derrota para o deputado estadual Paulo Guedes (PT), que tinha na secretaria o seu ponto de apoio para o projeto de disputar uma cadeira na Câmara Federal. Na prática, ele próprio criou situação embaraçosa para o governador Fernando Pimentel (PT), ao usar a secretária par atender seu projeto político e afastando outros parlamentares aliados do Palácio Tiradentes. A dúvida agora é se outros aliados de Guedes, que ocupam funções estratégicas dentro do órgão, vão continuar na secretaria.

 

AUTOESCOLAS

Apesar de ser uma exigência do Denatran, informação que chega à coluna é de que as autoescolas em Montes Claros não contam com sistema de libras para atender os deficientes auditivos. Como as entidades ligadas aos deficientes não tem questionado oficialmente as autoridades, e como o próprio Detran local não fiscaliza as autoescolas, é fato que estas prestadoras de serviços continuarão descumprindo a determinação do Denatran.

 

NÃO FIZ PROMESSA

Não tenho nenhuma dúvida de que o prefeito de Montes Claros, Humberto Souto, zomba da população ao continuar insistindo de que, durante campanha política, não fez nenhuma promessa. Age acreditando no velho ditado de que o povo tem memória curta. Desmente que não prometeu acabar com a taxa de lixo, de construir o centro de saúde do Renascença, de recuperar a avenida Vicente Guimarães, de recuperar o prédio onde funcionou a Secretária de Saúde, na avenida Sidney Chaves, dentre outras promessas que foram divulgadas em seu programa eleitoral. Não precisaria usar de tal expediente para, em programa de televisão, tentar mostrar que nestes 100 primeiros dias governo, a população está feliz da vida com a sua forma de administrar. Souto precisa entender que os tempos são outros e que a população não quer saber mais de justificativa. Se quer ter o apoio da população é preciso primeiramente ‘descer do palanque eleitoral’, entender que a eleição acabou e não pode tentar governar olhando pelo retrovisor.

 

LEITE PELA VIDA

Não sou operador do Direito e jamais usaria deste espaço para questionar qualquer decisão da Justiça. Entretanto, também não posso concordar a forma de exploração política que vem tendo o caso envolvendo o vereador Leão, que teria sido acusado de utilizar programa social da Sedinor (Leite pela Vida) em campanha eleitoral. Na prática, o vereador por Montes Claros vem sendo massacrado de todas as formas. Entendo que, se houve qualquer tipo de irregularidade, isso não aconteceu de forma isolada e o processo não seria somente na esfera eleitoral. Aliás, seria impossível ele ter agido sem a participação de outros.

Aldeci Xavier
Aldeci Xavier