PUBLICIDADE



Fenics 2017
Inicio » Mais Seções » Famosos » Maisa Silva pede fim de tabu sobre menstruação

Maisa Silva pede fim de tabu sobre menstruação


Reviewed by:
Rating:
5
On 12 de agosto de 2017
Last modified:12 de agosto de 2017

Summary:

Maisa Silva pede fim de tabu sobre menstruação

Maisa Silva pede fim de tabu sobre menstruação

Maisa Silva usou o seu canal do YouTube para falar abertamente sobre menstruação, um assunto que ainda é encarado por muitos como um tabu. A atriz, que aos 15 anos não tem medo de encarar o tema, começou com uma reflexão.

Maisa Silva pede, no YouTube, fim de tabu sobre menstruação
Maisa Silva pede, no YouTube, fim de tabu sobre menstruação

 

“Por que menstruação é um tabu na nossa sociedade? Por que falar de menstruação ainda gera polêmica? Eu já tuitei várias vezes, porque cara, meus tweets são de sono, fome, cólica, porque são coisas que acontecem na minha vida e eu tô afim de compartilhar. A gente tá batendo um papo reto sobre as coisas que as ‘minas’ passam, sim”, desabafou.

Maisa então falou sobre um incidente que teve com sua menstruação na escola, problema para várias adolescentes. “Minhas amigas me fizeram rir tanto, que eu dei uma gargalhada e nessa gargalhada foi um ‘tsunami’. Eu levantei e aquele banco branco estava vermelho. Fiquei nervosa, pensei ‘tem um monte de gente aqui’, ‘vai todo mundo ver'”, disse. “Mas, resumindo, ninguém percebeu”, completou a atriz.

Ela também revelou que teve sua primeira menstruação aos 12 anos e que, apesar de sempre ter sofrido emocionalmente com a tensão pré-menstrual (TPM), este ano a situação piorou: “Estou tendo dor de cabeça e cólica. Eu sinto uma cólica que não sei de onde vem, tô em qualquer lugar, fazendo show, fazendo evento, e tenho que ficar com uma bolsa de água quente”, disse.

A atriz terminou o vídeo ressaltando a importância de encarar a menstruação com naturalidade e não esconder para si mesma quando estiver sofrendo com cólicas ou qualquer outro sintoma da TPM. “Você está morrendo de cólica, mas não precisa ficar presa. Pode falar para o professor que quer ir na enfermaria. Não é um monstro de sete cabeças, é natural do seu corpo”, finalizou.


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeitosas e construtivas. O espaços abaixo são destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail valido).



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *