Publicidade FENICS 2108 - RESERVE JÁ,JÁ, SEU STAND!  

PUBLICIDADE

COPASA - MONTES CLAROS
Inicio » Norte de Minas » Norte de Minas – Unimontes inicia pesquisa para preservar dois séculos da tradição religiosa de remanescentes de escravos

Norte de Minas – Unimontes inicia pesquisa para preservar dois séculos da tradição religiosa de remanescentes de escravos

Norte de Minas – Unimontes inicia pesquisa para preservar dois séculos da tradição religiosa de remanescentes de escravos

Ritos de fé e devoção à Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos fazem parte do objeto de pesquisa
Ritos de fé e devoção à Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos fazem parte do objeto de pesquisa

 

Uma tradição com quase dois séculos e meio de existência, cultuada por remanescentes de escravos do Vale do Jequitinhonha, é objeto de um estudo inédito da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).

O projeto intitulado “História da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos” trabalha pela preservação da história de Chapada do Norte, a partir de registros das primeiras décadas do século XIX.

A ação envolve a Pró-Reitoria de Extensão, Departamento de Artes e o Núcleo de História e Cultura Regional (Nuhicre), em parceria com o Governo do Estado, por meio do Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha/MG). A duração prevista para o estudo é de dois anos, com interface da pesquisa com as práticas extensionistas.

A Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos foi fundada por volta de 1820, por escravos que residiam no então distrito, cenário comum naquela região diante do surgimento de outras localidades com as mesmas características e com registro de devoção à santa.

Início

A proposta da pesquisa cultural em Chapada do Norte surgiu durante as intervenções realizadas pela Unimontes na última edição do Festival de Inverno de Grão Mogol, em 2016. Um dos diferenciais do evento está na divulgação das manifestações culturais e populares, especialmente dos municípios do Norte de Minas e do Vale do Jequitinhonha que fazem parte do circuito do lago da usina hidrelétrica de Irapé, como é o caso de Chapada do Norte.

Diante da participação no evento, a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos formalizou uma solicitação à Unimontes. O presidente do grupo, Maurício Costa, pediu auxílio aos professores na avaliação no estado de conservação e na restauração dos livros de compromisso da Irmandade.

A ação de avaliação (viabilidade e valores) e restauração foi acordada com o setor de restauro do Iepha/MG, mas diante do valor histórico detectado junto à comunidade, a Unimontes cumpriu uma visita técnica a Chapada do Norte para analisar outras potencialidades culturais. “Percebemos valores culturais praticamente intactos por mais de 200 anos”, relata o professor Denilson Meireles, do curso de Ciências da Religião e integrante do Nuhicre/Unimontes.

Nas próximas semanas, o projeto será apresentado institucionalização junto ao Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPEx/Unimontes) e, caso o pedido seja aprovado, estará apto para a inscrição em editais de financiamento junto às agências oficiais de fomento.

Os professores Leonardo Silva e Igor Coimbra, do Departamento de Artes da Unimontes, também participantes da pesquisa de campo, salientam a potencialidade da cultura local, do ponto de vista musical e de expressão corporal, dentre outros pontos.

Além do trabalho ao lado do Iepha/MG no processo de restauração de livros da Irmandade, inicialmente com quatro volumes datados de 1820, os pesquisadores da Unimontes atuarão numa ampla pesquisa sobre a Festa de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, realizada anualmente, durante dez dias de outubro, com ritos de fé e devoção à padroeira.

“Do ponto de vista musical, o nosso estudo incluirá a elaboração de partituras para o registro das músicas cantadas nestes quase dois séculos de festa, sempre à mesma maneira”, acrescenta o professor Igor Coimbra. “Haverá, ainda, o registro dos costumes locais associados ao teatro, assim como as representações dos batuques e conflitos, do artesanato e da culinária, dentre outras manifestações”, pontua o professor Leonardo Silva.

Leia Também

Atacante voltou a ficar devendo melhor atuação contra a Costa Rica, não rendeu o esperado e mostrou nervosismo com rivais e arbitragem

No sufoco, Neymar supera irritação, marca nos acréscimos, chora e leva o Brasil a vitória

* Por: Jornal Montes Claros - 22 de junho de 2018. No sufoco, Neymar supera …

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas. O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *