Inicio » Montes Claros » Montes Claros – Racionamento de água é destaque na Câmara de Vereadores

Montes Claros – Racionamento de água é destaque na Câmara de Vereadores

Montes Claros – Racionamento de água é destaque na Câmara de Vereadores

Estudo de 2013 já apontava possível colapso na maior cidade do Norte de Minas.

Montes Claros - Racionamento de água é destaque na Câmara de Vereadores
Montes Claros – Racionamento de água é destaque na Câmara de Vereadores

 

Um dos destaques da reunião ordinária da Câmara de Vereadores, desta terça-feira (05/09/2017), em Montes Claros, foi o abastecimento de água na maior cidade do Norte de Minas. Depois do anúncio no corte da água pela Copasa, o que era uma suspeita agora virou problema de fato. Foram centenas as reclamações recebidas e apresentadas pelos parlamentares.

O Vereador Sóter Magno (PPS) afirma que a Copasa poderia evitado esse colapso no abastecimento de água com a construção da Barragem de Congonhas, por exemplo.

“Desde 2010 fizemos um grupo pró-barragem e desde então alertamos que faltaria água em Montes Claros. Hoje temos o racionamento que é uma forma de minimizar a falta de água por causa da estiagem e da ausência de medidas eficientes. O racionamento faz com que haja uma distribuição equivalente para todos os bairros, ainda que com uma quantidade menor de água. Mas é a opção nesse momento de crise”, garante Sóter.

Segundo ele, no documento divulgado em 2013, a solução seria a construção da barragem de Congonhas.

“Várias entidades se uniram, estudaram e apontaram que sob todos os aspectos a viabilidade seria a barragem, que além de garantir o  abastecimento  para  mais  de  um milhão de montes-clarenses, servirá ainda, na  condição  de  açude de uso  múltiplo,  para geração   de   energia   elétrica,   irrigação, turismo, controle   de   cheias. Ação tanto do rio Congonhas quanto do Rio Verde Grande”, descreve o vereador.

 

O Vereador e Presidente da Casa, Cláudio Prates afirmou que o momento não é de encontrar culpados e sim de buscar soluções. Como medida urgente para evitar um colapso hídrico ele sugere que a Prefeitura de Montes Claros decrete estado de emergência.

“Alguns bairros só terão água no dia 7 de setembro. São 100 mil pessoas de 43 bairros sem o abastecimento devido, segundo a Companhia, a realização de procedimentos operacionais realizados pela empresa. A justificativa é assegurar que a água chegue aos bairros na parte mais alta. A prioridade será o abastecimento de água para o consumo humano. Com o esforço de todos, acredito que vamos conseguir ultrapassar esse momento desafiador. Além do racionamento de água, é necessária a tomada de medidas, a curto, médio e longo prazo, para a garantia da segurança hídrica. Nós vereadores vamos nos unir para tentar solucionar essa celeuma”, diz o presidente.

Desconto na conta para quem economizar.

Cláudio esteve, na Capital Mineira, e apresentou à Copasa uma medida de descontos para quem economizasse a água.

“Não precisamos inventar a roda. Em São Paulo a ação deu certo quando eles passaram pelo problema referente ao nosso, porque aqui não daria certo? A  (Sabesp) naquela época deu desconto de 30% na conta com o objetivo de incentivar a queda no consumo por causa da falta de chuva, que reduziu o nível das represas do sistema Cantareira. A estratégia paulista era similar à usada em 2004, quando já houve desconto na conta para quem economizou água. Não incorreria despesas e sim redução no consumo. Os reservatórios ficariam com níveis satisfatórios. Ate porque esperamos um período de chuva nos próximos meses”, afirma Cláudio Prates, otimista em ter seu pedido atendido pelo Copasa.

A Copasa

Bairros sem água em Montes Claros 

Alice Maia, Alto São João, Barcelona Parque, Bela Vista, Cândida Câmara, Chiquinho Guimarães, Cintra, Conjunto José Correa Machado, Dona Gregória, Edgar Pereira, Floresta, Funcionários, Grande Maracanã, Ibituruna, Jaraguá I, Lourdes, Mangues, Morada do Sol, Nossa Senhora das Graças, Nova Morada, Panorama I, Panorama II, Renascença, Residencial Vila do Cedro, Sagrada Família, Santa Cecília, Santa Rita I e II, São José, São Luiz, Tancredo Neves, Todos os Santos II, Vila Antônio Narciso, Vila Atlântica, Vila Campos, Vila Exposição, Vila Ipê, Vila João Gordo, Vila Mauriceia, Vila Oliveira, Vila Regina, Vila Santa Maria e Vila Tiradentes.

Segundo a Copasa, Montes Claros tem racionamento desde 1º de outubro de 2015. Todo o processo é monitorado e fiscalizado pela Agencia Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais (ARSAE-MG), afirma o Superintendente Regional da Companhia, Roberto Botelho.

“Toda medida adotada na cidade tem informação prévia na Arsae-MG. O racionamento, inclusive é monitorado. Nosso reservatório de Juramento, que tem outorga de 1.100 litros por segundo está conseguindo captar somente 370 litros por segundo. A vida útil desse reservatório é até agosto/setembro de 2018. Por isso, definimos por captar do Rio Pacuí, que o projeto compreende em duas etapas. A primeira vai captar 345 litros por segundo  até meados do ano que vem. A segunda fase vai buscar água no Rio São Francisco, em Ibiaí, num prazo de dois anos. Pelo espaço curto de tempo que escolhemos essa ação. Congonhas e Jequitaí são obras federais. Congonhas teve a licitação cancelada e se priorizada demoraria até seis anos. Jequitaí tem um problema fundiário e com licitação e finalização seria até quatro anos, sendo muito otimista. Estudamos ainda Jaíba, que também tem uma extensão grande e iria demandar mais tempo que |Pacuí. Precisamos de um cirto espaço de tempo por causa da escassez hídrica”, garantiu Roberto.

Economize água 

– tome banhos rápidos e feche a torneira ao ensaboar;
– lave a louça de uma vez e feche a torneira ao ensaboar;
– não lave a calçada e o quintal, use a vassoura;
– ao lavar o carro, use um balde;
– acumule roupas para lavar na máquina de uma vez só;
– deixe a torneira fechada ao escovar os dentes e fazer barba.

Outro fator que colabora para o desperdício de água são os vazamentos.


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeitosas e construtivas. O espaços abaixo são destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail valido).