Inicio » Mais Seções » Entretenimento » SBT é processado por constranger Maisa e assistente de Ratinho

SBT é processado por constranger Maisa e assistente de Ratinho

SBT é processado por constranger Maisa e assistente de Ratinho

O Ministério Público do Trabalho de São Paulo (MPT-SP) moveu uma ação  contra a emissora SBT por “danos morais coletivos” e pede multa de R$ 10 milhões.

SBT é processado por constranger Maisa
SBT é processado por constranger Maisa

 

O processo considera os casos ocorridos em junho com Maisa Silva, no Programa Silvio Santos, e em abril de 2016 com a assistente de palco Milene Pavorô, do Programa do Ratinho.

Na ocasião mais recente, Silvio Santos insistiu em um namoro entre Maisa e Dudu Camargo, o que gerou uma situação constrangedora para a jovem.

Dias depois, Sílvio Santos promoveu um novo encontro entre os jovens durante a gravação do programa, e Maisa saiu do estúdio chorando.

Segundo o órgão, ela “sofreu grave constrangimento diante da violação de sua privacidade, intimidade e honra, caracterizando lesão aos direitos da personalidade, mediante abuso do poder hierárquico e discriminação do gênero feminino pela forma de tratamento dispensada às profissionais”.

Esse caso ocorreu enquanto o MPT negociava um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o SBT referente a um “episódio de agressão física e humilhação sofrido pela assistente de palco Milene Pavorô”, do Programa do Ratinho.

Na ocasião, o apresentador Ratinho chutou uma caixa de papelão em que Milene estava. O golpe teria atingido a região da nuca, ao que ela “deu um grito e caiu sentada no chão, visivelmente assustada e possivelmente machucada”, menciona a nota do processo. Na época, Ratinho se pronunciou sobre o caso e disse que respeita o elenco do programa, que é de entretenimento e espelhado em um circo.

De acordo com o MPT, o SBT recusou-se a assinar o TAC, alegando que o episódio foi uma “encenação” produzida pelo programa, que tem conteúdo humorístico.

Em contato com o SBT, a emissora disse que não irá se pronunciar sobre o processo ou os casos.


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeitosas e construtivas. O espaços abaixo são destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail valido).