Inicio » Esporte » Brasileirão » Brasileirão 2018 – Atlético sofre para vencer o Ceará e se tornar vice-líder

Brasileirão 2018 – Atlético sofre para vencer o Ceará e se tornar vice-líder

Brasileirão 2018 – Atlético sofre para vencer o Ceará e se tornar vice-líder

Um jogo dramático, com um roteiro que a Massa conhece muito bem, partindo da frustração para a euforia completa. Depois de pressionar, desperdiçar chances e ver uma falha individual estragar os planos de festa no Horto, dois xodós atleticanos mostraram a estrela que possuem para mudar o rumo da história e proporcionar um final feliz aos mais de 22 mil atleticanos presentes no Independência.

Brasileirão 2018 - Atlético sofre para vencer o Ceará e se tornar vice-líder
Brasileirão 2018 – Atlético sofre para vencer o Ceará e se tornar vice-líder

 

A técnica de Róger Guedes e a raça de Luan garantiram a vitória sobre o Ceará, nesta quarta-feira, no Independência, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O triunfo faz o alvinegro somar a terceira vitória seguida, reassumir a vice-liderança e ganhar mais confiança antes da parada da competição para a disputa da Copa do Mundo. Com o empate do Flamengo diante do Palmeiras, o Galo conseguiu ainda diminuir a distância de seis para quatro pontos que tinha para o Urubu. Agora, os atleticanos ganham 12 dias de folga e retornam no dia 25 de junho, quando realizam uma inter-temporada.

O JOGO. O esquema escolhido pelo Ceará foi o 5-4-1: três zagueiros, dois laterais, quatro homens no meio-campo e apenas um no ataque. O visitante, sem nenhuma vitória e buscando ao menos pontuar, como aconteceu nos empates contra Botafogo e Palmeiras, armou uma grande retranca para parar o Galo, estratégia que deu certo na primeira etapa. O Atlético estava longe de exercer uma pressão, não encontrava espaços e tinha muitas dificuldades para tabelar e infiltrar, muito em função de o rival jogar com 10 atletas atrás da linha da bola e com um zagueiro na sobra.

Róger Guedes, artilheiro do campeonato, muitas vezes voltava ao meio-campo e tentava iniciar uma jogada, já que estava muito bem marcado no ataque. Os mineiros só conseguiam ter mais liberdade para jogar quando contra-atacavam os visitantes. E foi justamente assim que o Galo teve a sua melhor chance no primeiro tempo. O time saiu rápido, Patric deu um belo lançamento para Cazares. O equatoriano chutou, a bola desviou na zaga e sobrou na pequena área para o volante Gustavo Blanco. Sozinho, ele isolou e desperdiçou uma chance incrível.

LEIA TAMBÉM:   Jogadores do Cruzeiro confiam em poder de reação da equipe para sequência do ano

Quando tentava pressionar um pouco mais, os donos da casa davam espaços, principalmente pelos lados. Em uma dessas oportunidades, o clube do Nordeste quase aproveitou. Samuel Xavier, que passou por Belo Horizonte e não deixou saudades, acertou a trave de Victor. O jogo seguiu morno até o intervalo, sem nenhuma grande chance para nenhuma das duas equipes.

No segundo tempo, o Atlético adiantou a marcação e, em alguns momentos, conseguiu acuar o Ceará. Na primeira chance, Ricardo Oliveira parou no goleiro Éverton. Seis minutos depois, o Galo quase marcou. Patric chegou na linha de fundo e rolou pra trás. Blanco chutou e a zaga cortou na pequena área. No rebote, Ricardo Oliveira chutou e a defesa cearense cortou em cima da linha, evitando o gol atleticano.

Com a entrada de Luan na vaga de Cazares, o Galo conseguiu aumentar a sua força ofensiva pelo lado direito, criando triangulações e incomodando o Vozão. Elias, na vaga de Blanco, deu mais mobilidade ao meio. Os nordestinos seguiam buscando o contra-ataque em velocidade, mas apenas com Éder Luís no ataque, pouco incomodavam. Eles queriam apenas uma bola. Uma chance. E ela veio com uma falha individual de Yago. O volante não conseguiu cortar o cruzamento de João Lucas e a bola sobrou para Naldo, que mandou para o fundo das redes, aos 32 minutos da etapa final.

Quando a torcida começava a ficar impaciente, o artilheiro do campeonato apareceu. De fora da área, no canto, de curva, Róger Guedes deixou tudo igual. O Independência “explodiu” e jogou o Atlético para cima do rival, que se fechou ainda mais. Contra qualquer retranca, a jogada individual, quando bem feita, costuma ser infalível. E foi assim que Luan arrancou, tabelou com Ricardo Oliveira e chutou na saída de Éverton, fazendo a Massa explodir de alegria e comemorar o triunfo e a vice-liderança atleticana.

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *