Vaga no Bolso

Inicio » Colunistas » Jerusia Arruda » Coluna da Jerusia Arruda – Aécio Neves

Coluna da Jerusia Arruda – Aécio Neves

AÉCIO NEVES

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu o arquivamento de inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar se o senador Aécio Neves (PSDB-MG) atuou em 2005 para maquiar os dados do Banco Rural entregues à CPI dos Correios, que investigou o esquema do mensalão. Segundo a procuradora, faltam provas para seguir com o inquérito. O documento contraria o relatório finalizado em maio pela Polícia Federal, segundo o qual havia provas contra Aécio. Com o pedido da PGR, a tendência é que o relator do caso, ministro Gilmar Mendes, determine o arquivamento.

 

SEM PARCERIA

O candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, disse a que não fará campanha ao lado do senador Aécio Neves em Minas Gerais. Investigado pela Lava-Jato, Aécio deixou a presidência do partido no ano passado e agora tenta uma vaga na Câmara dos Deputados.

 

INQUÉRITO DOS PORTOS

A Polícia Federal pediu a prorrogação do inquérito dos Portos, que investiga o presidente da República, Michel Temer. O pedido é para que as investigações sejam prorrogadas por mais 15 dias. Esta é a quarta vez que a Polícia Federal pede o aumento do prazo da apuração. O inquérito apura se empresas que atuam no Porto de Santos, entre elas a Rodrimar, foram beneficiadas pelo decreto assinado por Temer em maio de 2017.

 

CAIXA DOIS

O ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab, virou réu por suspeita de caixa dois. A 9ª Vara da Fazenda Pública aceitou uma ação de responsabilidade civil por atos de improbidade administrativa. O Ministério Público de São Paulo denunciou Kassab em 2017 por suspeita de recebimento de 21 milhões de reais via caixa dois em campanhas eleitorais anteriores. A Justiça paulista também determinou o bloqueio dos bens do ministro.

 

MAPA DA FOME

De acordo com levantamento ‘O Estado da Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo 2018’, divulgado na última terça-feira (11), a fome no Brasil caiu em um intervalo de dez anos. O índice caiu de 4,6% para menos de 2,5% no período de análise. Em 2014, o Brasil saiu do mapa da fome, quando o índice de segurança alimentar ficou abaixo dos 5%%. O levantamento foi feito por cinco agências das Nações Unidas e mapeou o quadro de segurança alimentar no país e no restante do mundo.

 

QUADRO GERAL

Em uma leitura mais ampliada, os dados sobre subnutrição revelam que o índice no Brasil ficou abaixo da média registrada na América Latina (4,9%), no biênio 2015-2017. Outros países tiveram reduções expressivas no período de 2004-2006 a 2015-2017, como o Peru (de 19,8% para 8,8%) e Equador (de 17% para 7,8%). De um modo geral, a fome aumentou no continente impulsionada pelos índices da Venezuela.

 

Jerusia Arruda
Jerusia Arruda

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *