Inicio » Colunistas » Adilson Cardoso » Coluna do Adilson Cardoso – Terezinhas no ZAP

Coluna do Adilson Cardoso – Terezinhas no ZAP

Coluna do Adilson Cardoso – Terezinhas no ZAP

A água ferve no fogão, bolhas saltitam fora da vasilha, a porta da geladeira está entreaberta, o garoto ensaiando as primeiras palavras, sai repetindo “Mamamamam”, se arrasta com a fralda cheia de bosta, levando consigo objetos espalhados, encontra uma caneta e tenta cutucar o ouvido, grita quando dói e segue com uma lixa de unha atravessada na boca, o cachorro late furioso ás batidas intermitentes do correio no portão. Terezinha está no Watssap em ferrenho debate com a amiga Dira.

— Eu não sou de reparar ninguém não, mas você viu como é que aquela sujeitinha é esfomeada? – Falou Terezinha.

— Ora se não vi! Mas também coitada, com uma banha daquelas só podia comer daquele jeito mesmo! – Completou Dira.

— E a tal da Rubia, deve ter passado dois dias no salão né? Parece até que estava indo ao casamento da Realeza!

— Aquilo é medo do marido engraçar com outra mais arrumada!

— Quantos anos que a Rubia deve ter Dira?

— Ah não sei ao certo, mas deve ser mais de cinquenta! Uns cinqüenta e dois por ai.

— Meu Deus! Nem brinca com isso, eu fui colega dela!

— Em que série?

— Foi… acho que foi… Ah, sei lá! E o filho da Telma hein? Que jeitinho de veado é aquele?

— Eu também já notei, Ela fala que é porque ele é muito educado! Sei não viu.

— Vixe Maria, espera ai que eu vou procurar o menino! Já, já eu te ligo! Justin Bibou, onde você está?

       As bolhas da fervura da água haviam apagado o fogo, o garoto comia restos de comida no balde do lixo em baixo da pia, sua fralda suja havia feito um rastro mal cheiroso no piso já encardido. A correspondência jogada pelo correio por baixo do portão estava em frangalhos ao lado da casinha do cachorro. Terezinha retira o lixo das mãos do filho e olha a carga do celular, o visor aponta cinqüenta por cento, ela se alegra. Um ruído de mensagens chega, ela recoloca o filho ao lado do cesto de lixo e pensa em voz alta;

— É o Robson!

“Amor, fique de olho no portão o DETRAN enviará a segunda via do documento para ser pago ainda hoje! O dinheiro está dentro da minha gaveta de bonés, Vá à casa Lotérica é URGENTE!”

“Até agora não chegou nada!” – Digitou Terezinha.

Terezinha inicia outro papo, desta vez com Marviany.

— Oi Marvi! Saiu tão depressa da festa! O que houve?

— Oi Terezinha! Nós fomos à formatura da Mila sobrinha de Marcelo! – Responde secamente.

— Que bom! Descansando hoje?

— Estou na casa da Rubia! Aproveitando o sol a beira da piscina!

— Ai que inveja! Pena que eu não sou convidada para esses encontros!

— Bem que a Rubia pensou em chamá-la, mas acabou de saber que você anda dizendo coisas ofensivas sobre ela!

— Meu Deus Marvi! Quem faria uma intriga dessas? E eu sou mulher de falar dos outros?  Quem mais está ai com vocês?

— Apenas eu, a Rubia e a Dira!

— A Dira??!

— Sim, inclusive eu queria lhe dizer que não é porque eu estou com uns quilinhos a mais, que sou esfomeada não está bom? Talvez você tenha se confundido, por estar ao lado dos pratos dos salgados não significa que eu comia toda hora!

— Foi a Dira quem te falou isso não foi?

Silêncio na linha. Novo ruído de mensagens chegando.

“Amor estou preocupado, nos correios informou que o documento já foi entregue!”

Ela nem leu a mensagem do marido. Enquanto o filho come o lixo e o cachorro rola sobre os retalhos do documento ela olha sua lista de contatos.

— Sua Jararaca! Rapariga de Zé Côco! Vai se ver comigo Dira! Vagabunda! E agora como é que eu vou olhar pra cara da Rubia pra pedir carona? Você me paga Dira! Marviany não vai querer falar mais comigo também, adeus festinha no Clube, mas aquela desgraçada me paga! Ah Dira, mexeu no vespeiro agora agüenta!

— Oi Elida! Como vai minha linda?

— Oi Terezinha! Está tudo bem, graças a Deus! – Falou rispidamente.

— Vai ser rápido meu contato, porque estou com um Campari gelado e um CD de Marília Mendonça na agulha, meu filho está passeando no clube com o pai dele, hoje a tarde é só minha!

— Pois é Terezinha, então vamos rápido que estou tirando o carro da garagem pra ir à festa das Lulus na casa da Rubia, ela não te convidou?

— Ah! Eh, na casa da Rubia? Sim ela até convidou… Mas eu preferi curtir hoje sozinha! O que eu ia te falar era pra ter cuidado com a Dira, aquilo finge ser sua amiga, mas está de olho no seu marido!

— Obrigada amiga, que faça bom proveito! Eu e o Léo estamos nos separando mesmo. Cansei de ser dona de casa! Vou dizer agora mesmo a ela, que dou a maior força, acaba de me fazer um grande favor!

Silenciosa, Terezinha viu a conversa ser cortada, antes de abrir novamente os contatos para iniciar uma nova querela, Telma mandou um áudio.

“Terezinha sua mal amada, deixe para se preocupar com a sexualidade do meu filho, no dia em que você passar a ser responsável por todas as contas dele, entendeu? Por enquanto se ele for veado, não é da sua conta! Ah, pra concluir, a Dira nos contou que o seu marido gosta de um fio-terra é verdade?”

Adilson Cardoso
Adilson Cardoso

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *