Inicio » Colunistas » Adilson Cardoso

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Entre outras coisas

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Entre outras coisas O Rio de Janeiro continua lindo. Alô Michel Temer a que horas o couro come? Pezão ainda é o Governador, mas não sabe qual é sua verdadeira função, recebeu um roteiro para decorar e disse apenas abobrinhas. Cabral por enquanto só fora informado sobre seus crimes e por alto quanto ficará trancado, …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Todo conflito é Psicologicamente Poético

Coluna do Adilson Cardoso – Todo conflito é Psicologicamente Poético Levante-se com paixão de vida… Bem cedo para sentir o frio da aurora mastigar a madrugada. Se arrepie com o hálito que vem do leste e sorva uma gota dos últimos orvalhos, respire  fundo olhando nos olhos do infinito. Em volta só  o silêncio que habita as horas. Deixe a fantasia …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Denuncia anônima

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Denuncia anônima Era só ele passar que a turma lhe atirava pedras. Dentre outras alcunhas; era chamado  de Defunto, Arrombado, Catapora, Seboso e Zé ruela. — Dona Altina, qualquer dia os meninos do beco vão passar o cerol no seu filho! – Avisou “Gato Sujo” um vizinho da casa ao lado. A mãe chorava com os joelhos …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – A Arca de Noé

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – A Arca de Noé A Arca de Noé (Versão não autorizada pelo Vaticano) Deus estava inconformado com a perversidade humana,  arrependido por ter criado  o homem e a mulher decidira  acabar com tudo. Jornais  Cuneiformes  publicavam que na opinião do criador, Noé era o único de coração realmente  bom, dentre todos que existiam. Diversos testes com outros nomes bíblicos foram feitos, …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Batráquios Assassinos

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Batráquios Assassinos Gemidos ecoavam das fendas que se  abriram  no chão da cozinha.  Pelas rachaduras do teto era possível ver a  lua cheia se apagando lentamente. Pessoas já falecidas faziam o jogo dos copos na mesa do café, seu amigo assassinado há pouco,  tinha um buraco na cabeça, mas batia palmas com um mão faltando alguns dedos. Quando os copos giraram, …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Aos Cuidados de Márcia

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Aos Cuidados de Márcia Nem sempre saímos de casa com o humor que a luz do dia merece, como também não é todo dia, em que um envelope endereçado a Márcia,  cai em nossas mãos e  desarticula nossos planos. Em um  desses dias  de  uma estafante   semana, passei na loja de piratarias de um shopping …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – O Louco homem da lei

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – O Louco homem da lei O Louco homem da lei A primeira página do jornal estampava  na banca, “Assaltante rouba bolsa de prostituta no centro da cidade”, na segunda página outra noticia, “Bandido leva celular de estudante em ponto de ônibus”. A página que deveria ser de cultura estava ocupada, “Homem de capuz assalta policial …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Dona Augusta

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Dona Augusta Ouvidos  atentos absorvendo as  primeiras noticias do rádio naquela  manhã   de quarta-feira. O locutor se indignava. — Não é possível, não é possível! O sol acaba de raiar e mais uma pessoa de bem  perde a vida! Desta vez uma senhora, uma senhora minha gente!  Que  saiu de casa  para comprar o pão …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Fogo na Pista

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Fogo na Pista A velocidade era alta e constante, o Caminhão Baú  trepidava  sobre a via deficiente, o motorista segurava firme no volante, o pequeno crucifixo balançava no quebra-sol. Os  perseguidores estavam   mais próximos, o  passageiro com parte do tronco do lado de fora  tentava atingir  os pneus,  mas a bala ricocheteava. — Filho da …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Uma estranha carta ao velho Noel

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Uma estranha carta ao velho Noel Há quatro anos, participo de um grupo que adota cartinhas do correio, endereçadas ao Papai Noel. Enviamos os presentes, mas aquela que mais chama atenção separamos para falar pessoalmente com o emissário, neste ano havia uma endereçada do presídio regional, o autor é um reeducando de trinta e oito …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – O Salvador de Gatos

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – O Salvador de Gatos — Você ouviu?  acabei de espirrar! – Disse ela. — Sim, ouvi! – respondeu ele olhando pela janela e vestindo a camisa. — É só isso? — Como assim Isa? — Como assim que quando aquela  peito de silicone estava aqui no domingo, eu ouvi você dizendo “Saúde” quando ela espirrou! …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Reflexão sobre nada ( Surrealismo)

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Reflexão sobre nada ( Surrealismo) Quero fazer um elogio a nada. Nada de agradecimento até que nada aconteça. Nada poderá mudar esta momentânea experiência da imersão no fundo deste lago surrealista. Nada que fizerem nesta fração de tempo miúdo, extrairá deste vácuo imperativo qualquer segredo a respeito da verdade corrosiva, que se diluiu dentro desta …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Amargas Promessas (parte ll)

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Amargas Promessas (parte ll) Um baixinho de terno fumando charuto interceptara-me apontando para um dos quartos em que uma loira gorda mostrava os peitos, entrei impaciente olhando para os lados e reconheci um dos Peruanos do dia anterior, me fitava de cima em baixo com os braços cruzados, assim que passei, a porta se fechara …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Amargas Promessas (Parte l)

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Amargas Promessas (Parte l) Clinica de repouso mental Normando Ipiranga dizia a placa em vermelho e preto. A fila era longa, faltavam quinze minutos para ás quatorze horas, o porteiro pedia documentos de forma robótica como se falasse com máquinas de refrigerantes, ao seu lado um vigia gordo de uniforme azul e olhos inchados, característicos …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Refugio Mental

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Refugio Mental Quando era criança brincava de ser adulto, dizia que era o pai, pegava no volante (tampa de panela) e saia dirigindo para o meu trabalho. Por vezes  deixava de ouvir o que o amiguinho ao lado estava dizendo por  achar o papo chato e sem emoção. Curiava os adultos, a vontade de crescer aflorava dentro …

Leia Mais »