Últimas Notícias
Turbo Pesquisa - CLIQUE AQUI PARA MIAS INFORMAÇÕES
Inicio » Mais Seções » Ciência » UFMG desenvolve equipamento portátil que faz diagnóstico rápido de doenças

UFMG desenvolve equipamento portátil que faz diagnóstico rápido de doenças

UFMG desenvolve equipamento portátil que faz diagnóstico rápido de doenças

Um equipamento portátil capaz de realizar o diagnóstico rápido de doenças foi desenvolvido por pesquisadores do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) e do Departamento de Física do Instituto de Ciências Exatas (ICEx), da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

UFMG desenvolve equipamento portátil que faz diagnóstico rápido de doenças
UFMG desenvolve equipamento portátil que faz diagnóstico rápido de doenças

 

No momento, a tecnologia – que utiliza nanossensores para identificar patógenos em amostras – já é empregada pela Escola de Veterinária na identificação de leucemia em gatos. Conforme a instituição, os biossensores do equipamento foram criados com o uso da nanotecnologia.

“Nanobastões de ouro são colocados em uma solução, e neles é aplicada uma molécula – o antígeno de uma doença, por exemplo. Quando entra em contato com moléculas de diagnóstico (presentes nas amostras de sangue, urina ou saliva, por exemplo), o dispositivo é capaz de detectar se houve um aumento do tamanho do nanobastão. Esse aumento significaria, nesse caso, que o anticorpo da doença se conectou ao antígeno, revelando um resultado positivo”, explica a universidade.

 

Até então, na escola de veterinária da UFMG, o professor Jenner Reis e a equipe do laboratório de retroviroses fazem o diagnóstico do vírus da leucemia felina por meio de um material importado, o que eleva o custo do exame. “Com a plataforma desenvolvida na UFMG, baseada em tecnologia nacional, o custo é menor e o resultado, mais rápido e eficiente”, diz Reis.

O professor do ICB e que também foi um dos coordenadores de estudo, Ary Corrêa, diz que a nova tecnologia facilita o processo de diagnóstico porque pode ser facilmente transportada e dispensa a presença de um laboratório.

Ainda de acordo com a universidade, os resultados podem, ainda, ser compartilhados por rede, uma vez que a tecnologia é controlada manualmente por um aplicativo instalado em smartphones.

Aviso

  • • Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.
  • • Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *