Empréstimo Consignado para aposentados, pensionistas do INSS

Últimas Notícias
Casa das Apostas Online Betway

No e low poo: conheça as técnicas que estão dando o que falar

No e low poo: conheça as técnicas que estão dando o que falar

Jeito de lavar o cabelo se popularizou com as celebridades

Fonte: Pixabay

 

Quando o assunto são produtos para os cabelos, não basta saber as vantagens descritas nas embalagens. Cresce o número de consumidores que deseja usar substâncias mais naturais e menos agressivas, tanto para os fios quanto para o meio ambiente.

Nesse contexto que surgiram as técnicas no e low poo. A primeira se refere ao hábito de não usar shampoos. Já a segunda consiste em usar versões mais leves do produto. Então, quem segue o low poo pode usar as mesmas coisas que os adeptos do no poo, mas o inverso não se aplica.

Esses termos se popularizaram depois que a Bela Gil, conhecida por levar um estilo de vida natural, disse que é dessa forma que cuida das madeixas. Entenda de uma vez como funcionam estas técnicas!

Por que os shampoos comuns se tornaram vilões?

Desde que os shampoos foram criados, eles sempre foram sinônimo de espuma e limpeza. A propaganda das grandes marcas focou em mostrar para as pessoas como a oleosidade natural do cabelo era ruim. Porém, isso não é verdade.

O óleo que é produzido na raiz dos fios é essencial para a hidratação das madeixas. Ao contrário, muitos produtos limpam demais o couro cabeludo, o que faz com que os fios fiquem ressecados e quebradiços.

Mesmo quando os fios ficam bonitos depois do banho, não significa que eles estão realmente hidratados. Muitas vezes, os produtos “muito artificiais” mascaram os problemas, o que pode dar uma falsa ilusão de qualidade.

No caso dos cabelos ondulados e cacheados, que são mais secos por natureza, o problema costuma ser ainda maior. Por isso, é que as técnicas no e low poo foram pensadas.

 

Fonte: Pixabay

 

É preciso ficar sem lavar os cabelos no No Poo?

Não, ninguém precisa ficar longe da água, se quiser deixar as madeixas mais hidratadas e sedosas. Na verdade, o ideal é apostar em produtos sem sulfato, agentes limpantes, petrolatos e silicones, a menos que sejam solúveis em água.

Uma forma também de manter a higiene e os cuidados com o cabelo é por meio do co-wash. Para isso, é necessário encontrar um condicionado em cuja embalagem esteja indicado que é para “co-wash”. Então, em vez de usar um shampoo que faz muita espuma e, portanto, tem muitas substâncias limpantes, a pessoa faz a lavagem com condicionador.

A diferença desse creme para um comum é que ele não possui silicone, petrolatos e outras substâncias mais agressivas.

Como adotar o Low Poo?

O low poo é menos radical e, para muitos, mais fácil de ser adotado. Nesse caso, o interessado também deve evitar alguns componentes, como sulfato de sódio, parabenos e petrolatos. Esses ingredientes criam uma série de película nos fios, o que os impede de receber o nutrientes que precisa. No low poo, porém, é liberado o uso de agentes limpantes e silicones no geral.

De olho nessa tendência, diversas marcas se mobilizaram para criar versões mais leves de shampoos e condicionadores. Dessa forma, caso a pessoa queira experimentar uma nova técnica para melhorar a aparência dos fios, é mais simples.

A Lola Cosmetic, queridinha de que tem cabelo cacheado, é uma delas. O Curly Wurly Low Poo da marca serve para cabelos ondulados e cacheados, e oferece hidratação profunda aos fios. A empresa também é popular por ter vários produtos de beleza sustentáveis.

Já o Boticário, principal perfumaria brasileira, também tem produtos liberados para o low poo. Um exemplo é o Match Respeito aos Cachos, cuja linha completa pode ser vista na Revista O Boticário.

Assim como qualquer outro tratamento de beleza, o no e o low poo são técnicas que podem ser muito eficientes para algumas pessoas, mas para outras não. Por isso, vale a pena buscar mais informações sobre o assunto, tirar dúvidas com que cuida dos cabelos dessa forma e, claro, testar.

Quer saber as notícias do Jornal Montes Claros em primeira mão? Siga-nos no Facebook @jornamoc, Twitter @jornalmoc e Instagram @jornalmoc.