Últimas Notícias

Escrever à mão te faz aprender melhor, apontam estudos

Atividade motora e pensamento lógico na hora da anotação são os principais motivos para isso

Com tantos dispositivos eletrônicos que nos cercam praticamente 24 horas por dia, muitas pessoas começaram a deixar de lado agendas e cadernos, antes tão queridos por crianças e adultos. Mas se você não quer abrir mão do papel, ou se fez isso mas está pensando em voltar a escrever no físico, não precisa se preocupar.

Estudos apontam que escrever à mão pode te ajudar a aprender mais e melhor. Entenda por que e conheça as variáveis que fazem com que o assunto ainda seja discutido.

Caderno ou eletrônicos

Mesmo que computadores, tablets e celulares estejam tomando um considerável espaço na mesa de estudos de muita gente, o caderno também ainda é queridinho. Com a pandemia e os estudos sendo feitos a distância, os meios eletrônicos ganharam ainda mais destaque.

Para quem precisa estudar, é comum ficar em dúvida sobre as facilidades e também os benefícios de cada uma das opções. E, acredite: existem diferenças na maneira de utilizar cada um deles que podem trazer mais ou menos resultado na hora da aprendizagem.

Eletrônicos 

Os itens eletrônicos são muito bem vindos naqueles momentos de correria. Afinal, digitar as anotações acaba sendo muito mais rápido do que escrevê-las à mão. Além disso, ao utilizar computadores, tablets e celulares, é possível utilizar outros recursos para tornar o texto mais completo, o que é benéfico para entender o contexto geral do que foi anotado.

Cadernos

Os cadernos são clássicos e não perderam seu valor com a chegada dos eletrônicos. No quesito rapidez, eles acabam ficando para trás, pois se demora muito mais para escrever do que para digitar o que está sendo dito, considerando o contexto escolar ou universitário, por exemplo. Por outro lado, exatamente por conta dessa “lentidão” que a escrita à mão tem seu potencial mostrado em pesquisas.

Afinal, qual é o melhor formato?

Existem inúmeras pesquisas e estudos feitos para finalmente desvendar qual a melhor maneira de aprender e se escrever à mão potencializaria isso. Um deles, publicado na revista científica Trends in Neuroscience and Education indicou que o ato da escrita pode ajudar no processo de aprendizagem.

Outros semelhantes, como um de 2016, também já haviam se debruçado no tema. Nele, pesquisadores dividiram os voluntários em diferentes grupos, considerando o tipo de anotação e tempo de teste após o “estudo”. Assim, enquanto alguns estudavam um vídeo anotando no papel, outros o faziam usando um computador. Depois, parte de cada grupo fazia o teste no mesmo dia e outro, apenas no dia seguinte.

O que os resultados mostraram foi que quando o teste é feito no mesmo dia, ambos os formatos tiveram sucesso. Mas no dia seguinte, a escrita à mão mostrou resultados melhores na memorização.

De acordo com os pesquisadores, o motivo para isso é o fato da escrita demandar uma atenção a mais do estudante. Afinal, por ser um processo mais demorado, fica inviável querer anotar tudo o que está sendo dito.

Dessa maneira, a saída é escolher o que é mais importante para registrar. Esse processo a mais (prestar atenção no mais importante e transformar em uma anotação) é o que torna a escrita à mão melhor para quem deseja memorizar assuntos e aprender algo novo.

Outras variáveis

O estudo em questão é bastante completo e também considera outras variáveis para entender o que seria melhor ou não. Mas outra pesquisa feita um tempo depois mostrou que uma variável pode ser mais importante do que o formato escolhido.

Nessa pesquisa, as pessoas fizeram os mesmos processos que na anterior, mas também foram instruídas a fazerem um resumo transcrito (escrever tudo o que foi falado) ou parafraseado.

O grupo que transcreveu exatamente o que foi dito, independentemente do formato, acabou se saindo melhor em testes factuais, enquanto o outro grupo se saiu melhor em testes de memorização. Assim, o que fez diferença mesmo foi o tipo de anotação feita.

Considerando as duas pesquisas, é possível exemplificar: fazer um cálculo matemático no computador pode dar muito mais trabalho do que escrevê-lo no papel, já que geralmente exige uma grande quantidade de símbolos e correções.

Por outro lado, quando o assunto é factual, com informações como datas e locais, a anotação nos eletrônicos acaba sendo muito mais rápida e efetiva, pois é possível inserir imagens, datas e muitas outras informações.

No final das contas, apesar do estudo mostrar um potencial maior na escrita à mão, não há um consenso final sobre qual dos formatos é melhor. Os pesquisadores afirmam que inúmeras variáveis podem acabar mudando isso, fazendo com que cada pessoa tenha uma experiência diferente na aprendizagem.

Assim, mesmo que você opte pelos eletrônicos, vale seguir a dica: fazer as anotações de maneira mais consciente e no formato correto, mesmo que mais devagar, pode contribuir com seus estudos.