Últimas Notícias

Beber água pode ajudar no funcionamento do cérebro

Pesquisas internacionais apontam que manter o corpo hidratado melhora a concentração, a memória e os níveis de estresse

Não é novidade que a água é fundamental para o funcionamento do corpo humano. Segundo o Ministério da Saúde, esse líquido é essencial para diferentes funções vitais do organismo, como o transporte de nutrientes e oxigênio. No entanto, quem tem o costume de se hidratar com frequência pode adquirir ainda outros benefícios.

Diferentes estudos internacionais afirmam que a água pode assumir ainda um papel importante para um bom desempenho cerebral. Em pesquisas, especialistas concluíram que o líquido ajudou os indivíduos a conquistarem mais concentração, melhoria na memória e no emocional.

Manter-se hidratado ao longo do dia para adquirir mais saúde é uma recomendação médica geral. O ideal é sempre ter um purificador de água ou uma garrafa por perto. A quantidade necessária para manter o funcionamento do organismo pode variar de pessoa para pessoa, mas, segundo a Organização Mundial da Saúde, um homem adulto de 60kg deve beber pelo menos 2,5 litros de água por dia.

Água: o segredo para um bom funcionamento cerebral

De acordo com o Guia Alimentar para a População Brasileira elaborado pelo Ministério da Saúde, o total de água existente no corpo dos seres humanos equivale a 75% do peso na infância e mais da metade na idade adulta.

Não é de se estranhar que a água influencia diferentes funções do organismo, inclusive as do cérebro. Estudos feitos em Londres, por exemplo, apontam que se manter hidratado pode promover uma melhora na qualidade de vida dos seres humanos.

Melhora na concentração 

É normal ouvir que beber água tem papel fundamental para manter o corpo ativo e isso ocorre não somente com o âmbito físico como também com o mental. Uma pesquisa da Universidade do Leste de Londres, em conjunto com a Universidade Westminster, comprovou a importância da hidratação para a concentração.

Segundo o estudo, pessoas que ingeriram 500 ml de água antes de realizar atividades intelectuais tiveram uma melhora nesse fator durante o experimento. As universidades chegaram a essa conclusão após avaliar e comparar o desempenho de alunos que se hidrataram e que não ingeriram líquido algum. Os resultados mais favoráveis estavam evidentes para os indivíduos que beberam água antes da avaliação.

Isso ocorre porque, devido à desidratação, o organismo tende a ficar mais lento, a fim de tentar utilizar a água restante do corpo para executar as atividades. Em contrapartida, uma pessoa que se mantém hidratado percebe o corpo e a mente mais ativos, podendo ter mais concentração para realizar diferentes tarefas do dia a dia.

A Universidade do Leste de Londres realizou outra pesquisa sobre o papel da água na concentração de crianças e idosos. O coautor da pesquisa, Mark Gardner, em uma entrevista à BBC, informou que a hidratação é uma forma eficaz e acessível para que estudantes e educadores consigam obter resultados mais satisfatórios devido aos benefícios que o líquido pode oferecer.

Auxílio na memória

Outro ponto observado na pesquisa realizada em parceria entre as universidades do Leste de Londres e a Westminster é que, assim como com a concentração, indivíduos que beberam água também aumentaram a capacidade de memória.

Isso ocorre pois, com o organismo hidratado, o cérebro consegue armazenar e lembrar de mais informações. O resultado foi perceptível devido às notas das provas aplicadas pelos cientistas. Os alunos que beberam água mostraram lembrar dos conteúdos fornecidos em aula, enquanto os que estavam desidratados não tiveram o mesmo desempenho.

Melhora nos aspectos emocionais

Aos primeiros indícios de estresse, é normal alguém oferecer um copo de água para quem precisa se acalmar. Essa prática tem fundamento e também foi abordada na pesquisa realizada pela Universidade do Leste de Londres.

Segundo um dos cientistas responsáveis pelo estudo, Chris Pawson, a hidratação do corpo humano está associada à redução dos níveis de ansiedade e estresse, o que por sua vez influencia diretamente na capacidade cognitiva dos indivíduos.