Publicidade

Inicio » Colunistas » Coluna – A vida que se esvai

Coluna – A vida que se esvai

É imanente da fase florida da adolescência, a busca por experiências novas e sensações ainda inexploradas. Neste particular considero importante a informação aos riscos relacionados ao consumo do álcool e ao uso indiscriminado de substâncias ainda que lícitas. Embora o Estatuto da Criança e do Adolescente, proíba a venda de qualquer tipo de bebida alcoólica para menores de 18 anos; entre os jovens de 12 a 17 anos a taxa de usuários é preocupante, e a de dependentes de álcool é alarmante.

esgoto2Por outro lado a “ análise toxicológica” para verificação do consumo de drogas, vem sendo utilizada no meio profissional esportivo e no auxílio e acompanhamento da recuperação de usuários em clínicas de tratamento. Há testes disponíveis para a detecção de diversos tipos de substâncias psicoativas. Portanto, analisar a urina em busca de metabólitos das drogas é um dos métodos para se constatar a evidência de seu consumo e mais um indicativo de sua ação.

A prática demonstra que o período de duração da detectabilidade das drogas varia de acordo com a freqüência e intensidade do uso das mesmas No que tange a cocaína retrata-se que ela é um alcalóide presente nas folhas da coca que funciona como um potente estimulante do sistema nervoso central, mantendo o estado de alerta e euforia. Possui efeito semelhante ao da anfetamina, porém com duração mais curta. A cocaína produz dois metabólitos inativos: a metilesterecgonina e a benzoilecgonina – esta última, o principal produto encontrado na urina. Interessante lembrar que a cocaína deriva da folha do arbusto da “coca” (Erythroxylon Coca) do qual existem variedades como a boliviana (huanaco), a colombiana (novagranatense) ou a peruana (truiilense).

A droga pode transmitir uma falsa e passageira sensação de prazer que gradativamente vai se transformando em dor, sofrimento e infelicidade. É extremamente comum induzir a pessoa a perder a sua dignidade e seu amor próprio. Quando isso acontece, restam como conseqüência freqüente o cárcere, ou ainda, vez por outra, uma internação em hospital psiquiátrico. E Esta situação está praticamente batendo a nossa porta Em um estudo recente, com dados coletados no Distrito Federal, inferimos que resguardadas, as devidas projeções, o consumo de cocaína naquela localidade anualmente é próximo de 700 kg. Essa informação foi vista a partir da análise da benzoilecgonina que é secretada pelo organismo dos usuários. Por derradeiro,é fato que considerável parcela da cocaína entra no organismo e se transforma ou é convertida na substância sobredita. Na análise mede-se a concentração dela, no esgoto. Pergunto: qual seria o número apontado por este estudo, em Montes Claros?

Por Rosildo Barcellos

Rosildo Barcellos
Rosildo Barcellos

Leia Também

Transforme seu studio em um apartamento multifuncional

Transforme seu studio em um apartamento multifuncional

* Por: Jornal Montes Claros - 24 de setembro de 2018. A nova tendência de …

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).