Publicidade FENICS 2108 - RESERVE JÁ,JÁ, SEU STAND!  

PUBLICIDADE

COPASA - MONTES CLAROS
Inicio » Norte de Minas » Norte de Minas – Em alguns pontos, já é possível atravessar o rio São Francisco a pé ou a cavalo

Norte de Minas – Em alguns pontos, já é possível atravessar o rio São Francisco a pé ou a cavalo

Em alguns pontos, já é possível atravessar o rio São Francisco a pé ou a cavalo. Mas, com tantos bolsões de areia, de balsa, a travessia está complicada. E esse não é nem de longe o maior dos problemas de quem mora em Itacarambi, às margens do Velho Chico. Com a seca prolongada, já falta água até mesmo para o consumo humano. Na comunidade do Pajeú, a 6 km do rio, o poço artesiano praticamente secou. “O rio fica baixo, a água não corre como antes e vem com muitos sedimentos que acabam entupindo os canos que levam a água até lá”, explica o fiscal assistente do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), João Ricardo Ferreira Mota.

Norte de Minas - Em alguns pontos, já é possível atravessar o rio São Francisco a pé ou a cavalo
Norte de Minas – Em alguns pontos, já é possível atravessar o rio São Francisco a pé ou a cavalo

“Já ficamos até três dias inteiros sem água. Tem quatro meses que não tomo banho de chuveiro, porque a água não consegue subir. O recurso é o caminhão-pipa”, conta João Dourado de Oliveira, 56, que não tem mais seus coqueiros nem pés de manga e laranja.

A comunidade Brejo do Santana também sofre com a falta d’água. Adésia Pinheiro das Neves, 49, mora com cinco crianças entre filhos e netos e tem renda mensal de R$ 360, do Bolsa Família. “Antes, dava para pegar do poço, mas agora secou. O jeito é esperar o caminhão-pipa que a prefeitura manda uma vez por semana. A gente enche os galões e vai usando”, conta Adésia.

Sueli Rodrigues dos Santos, 30, mora com marido e quatro filhos de 6, 9, 11 e 14 anos. “Agente ainda tá numa situação melhor, porque quando a água dos galões acaba, dá para ir de bicicleta tomar banho da casa da sogra”, conta Sueli. A sogra dela mora a 5 km.

A assistente administrativo da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater), Rodnéia Félix, conta que a ajuda poderia chegar mais longe e atender a mais pessoas, se a cidade conseguisse decretar estado de emergência. “Já mandamos o pedido várias vezes, anexamos o relatório de prejuízos de mais de R$ 5 milhões, com fotos das lavouras, mas ainda não foi liberado”, afirma.

A cidade que está em estado de emergência recebe ajuda do governo, inclusive caminhão-pipa, além de cesta básica e condições facilitadas para empréstimos bancários. No site da Defesa Civil de Minas Gerais, o pedido de Itacarambi aparece como arquivado.

Pecuária. Os pecuaristas também estão amargando prejuízos. “Sem chuva, não tem pasto e o gado não engorda. Muita gente vende antes da hora, para o Mato Grosso. A queda no faturamento é de 50%”, afirma Mota, que tem um pequeno laticínio.

Por Quelia Ariane

Leia Também

Em Montes Claros, população deve ficar alerta para combater os focos do mosquito por ter alto risco de epidemia

Em Montes Claros, população deve ficar alerta para combater os focos do mosquito por ter alto risco de epidemia

* Por: Jornal Montes Claros - 20 de junho de 2018. Em Montes Claros, população …

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas. O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).