Publicidade

Inicio » Colunistas » Adilson Cardoso » Coluna – A Festa de Natal

Coluna – A Festa de Natal

A festa de confraternização hierarquicamente é dividida em vários momentos, podemos definir os principais; primeiro o cara chega sozinho, se não tiver tomado aquela birita do “esquenta” entra pálido como se o sangue estivesse escondido nas pernas, os mais brancos ficam vermelhos como se fossem pintados a tinta. O boa noite é suave e os olhos não conseguem fixar nos decotes das colegas, tampouco nas pernas cruzadas da esposa do convidado. Senta-se na cadeira gélido como defunto, se ouve algo interessante pelas costas à timidez não é capaz de mover seu pescoço, ainda tem a entrada da mulher do chefe com aquele vestido longo, cabelos feitos cachos  de um lado preso atrás das orelhas, seios fartos  pedindo um empurrãozinho para saltar do decote, sem contar o partido no meio das pernas que a cada passo expõe as coxas grossas sob a meia calça. No segundo momento, onde todos já estão acomodados e a classe b e c estão próximas surgem os primeiros comentários, olhares alongados,  a respiração começa a se controlar. No momento seguinte que é o de numero três, o chefe faz aquele discurso populista, hipócrita com seus pleonasmos, todos estão quietos ouvindo e torcendo que aquilo não se eternize, alguns atacam a mãe do orador em pensamentos, desmoralizam com esposas e o resto mais que existir em nome do fim daquele parlatório, pois é o entrave direto para o álcool cair sobre os copos que já estão milimetricamente arrumados na mesa. Enfim a liberdade, o grito se solta e taças e mais taças se misturam a todos os teores e descem goelas abaixo, este é o momento de numero quatro o ultimo momento da primeira fase da festa de confraternização da empresa. Porque o ciclo se reinicia com o primeiro momento após algumas doses de cachaça com vinho e cerveja, vodca com refrigerante e aqueles pratinhos abarrotados de carne assada com farofa. Aquele cara que chegara tímido sem sangue nas faces ou corado de vergonha, já dispensa o garçom e vai sozinho até o freezer quando a cerveja demoram,  a colega do jurídico com seu terno ordinário não é problema para ele iniciar um ataque de olhos que se fosse o Super-homem estaria destruída. No segundo momento se levanta para cumprimentar quem não tivera coragem no inicio, aperta a mão de convidados do chefe pergunta onde trabalham  e até fala sobre a queda da bolsa de New York. Vai até a cabine do DJ e manda trocar a musica, dança sozinho para aliciar os outros e vai atender o portão para puxar o saco quando o interfone toca. Nos últimos momentos já não é nem sombra daquele sujeito tímido do inicio da festa, pelo contrário,  já e temido pelas colegas desacompanhadas e vigiado pelos parceiros daquelas que não estão sozinhas. Então o chefe pede para desligar o som por alguns minutos, abre um envelope e lê uma mensagem desejando boas festas ao seu amigo oculto, o sujeito antes tímido e agora insuportável como dizem aos cochichos, aplaude com força e abraça todo mundo, quem deu o presente e quem recebeu para ele não importa, quer participar de tudo, até chegar sua vez e ele ter a sorte de ser tirado pela mulher do chefe, ali o choro aumentou, a felicidade foi abundante, contou sua história desde quando era criança, passando por dificuldades, vendendo picolé e cheirando cola na rua, confessou que saira com um gay rico por alguns trocados e depois disto não trabalhara  mais, tivera casos até com gays casados, inclusive pediu desculpas, mas  disse que pensava que o chefe era  uma bichona. Só não falou mais abobrinhas  por percepção do DJ que ligou o som e todos voltaram para o clima. Exceto aquele tímido funcionário que no inicio da festa parecia ser mudo. O chefe pediu-lhe educadamente que acompanhasse os seguranças até um ponto de moto-taxi, chegando  lá,  que ele fosse para o meio dos infernos e nunca mais aparecesse na frente dele. O chefe detestava fofoca principalmente com a vida dele…  este era o decimo funcionário demitido por desconfiar da sua masculinidade.A festa de confraternização hierarquicamente é dividida em vários momentos, podemos definir os principais; primeiro o cara chega sozinho, se não tiver tomado aquela birita do “esquenta” entra pálido como se o sangue estivesse escondido nas pernas, os mais brancos ficam vermelhos como se fossem pintados a tinta. O boa noite é suave e os olhos não conseguem fixar nos decotes das colegas, tampouco nas pernas cruzadas da esposa do convidado. Senta-se na cadeira gélido como defunto, se ouve algo interessante pelas costas à timidez não é capaz de mover seu pescoço, ainda tem a entrada da mulher do chefe com aquele vestido longo, cabelos feitos cachos  de um lado preso atrás das orelhas, seios fartos  pedindo um empurrãozinho para saltar do decote, sem contar o partido no meio das pernas que a cada passo expõe as coxas grossas sob a meia calça. No segundo momento, onde todos já estão acomodados e a classe b e c estão próximas surgem os primeiros comentários, olhares alongados,  a respiração começa a se controlar. No momento seguinte que é o de numero três, o chefe faz aquele discurso populista, hipócrita com seus pleonasmos, todos estão quietos ouvindo e torcendo que aquilo não se eternize, alguns atacam a mãe do orador em pensamentos, desmoralizam com esposas e o resto mais que existir em nome do fim daquele parlatório, pois é o entrave direto para o álcool cair sobre os copos que já estão milimetricamente arrumados na mesa. Enfim a liberdade, o grito se solta e taças e mais taças se misturam a todos os teores e descem goelas abaixo, este é o momento de numero quatro o ultimo momento da primeira fase da festa de confraternização da empresa. Porque o ciclo se reinicia com o primeiro momento após algumas doses de cachaça com vinho e cerveja, vodca com refrigerante e aqueles pratinhos abarrotados de carne assada com farofa. Aquele cara que chegara tímido sem sangue nas faces ou corado de vergonha, já dispensa o garçom e vai sozinho até o freezer quando a cerveja demoram,  a colega do jurídico com seu terno ordinário não é problema para ele iniciar um ataque de olhos que se fosse o Super-homem estaria destruída. No segundo momento se levanta para cumprimentar quem não tivera coragem no inicio, aperta a mão de convidados do chefe pergunta onde trabalham  e até fala sobre a queda da bolsa de New York. Vai até a cabine do DJ e manda trocar a musica, dança sozinho para aliciar os outros e vai atender o portão para puxar o saco quando o interfone toca. Nos últimos momentos já não é nem sombra daquele sujeito tímido do inicio da festa, pelo contrário,  já e temido pelas colegas desacompanhadas e vigiado pelos parceiros daquelas que não estão sozinhas. Então o chefe pede para desligar o som por alguns minutos, abre um envelope e lê uma mensagem desejando boas festas ao seu amigo oculto, o sujeito antes tímido e agora insuportável como dizem aos cochichos, aplaude com força e abraça todo mundo, quem deu o presente e quem recebeu para ele não importa, quer participar de tudo, até chegar sua vez e ele ter a sorte de ser tirado pela mulher do chefe, ali o choro aumentou, a felicidade foi abundante, contou sua história desde quando era criança, passando por dificuldades, vendendo picolé e cheirando cola na rua, confessou que saira com um gay rico por alguns trocados e depois disto não trabalhara  mais, tivera casos até com gays casados, inclusive pediu desculpas, mas  disse que pensava que o chefe era  uma bichona. Só não falou mais abobrinhas  por percepção do DJ que ligou o som e todos voltaram para o clima. Exceto aquele tímido funcionário que no inicio da festa parecia ser mudo. O chefe pediu-lhe educadamente que acompanhasse os seguranças até um ponto de moto-taxi, chegando  lá,  que ele fosse para o meio dos infernos e nunca mais aparecesse na frente dele. O chefe detestava fofoca principalmente com a vida dele…  este era o decimo funcionário demitido por desconfiar da sua masculinidade.

Por Adilson Cardoso

Adilson Cardoso
Adilson Cardoso

Leia Também

IFNMG abre inscrições para 1.500 vagas em 11 cursos gratuitos

IFNMG abre inscrições para 1.500 vagas em 11 cursos gratuitos

* Por: Jornal Montes Claros - 25 de setembro de 2018. IFNMG abre inscrições para …

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *