Inicio » Minas Gerais » MG – Minas Gerais lidera ranking de trabalho escravo em 2014

MG – Minas Gerais lidera ranking de trabalho escravo em 2014

Minas Gerais ficou no topo do fatídico ranking de trabalho escravo no Brasil no ano passado. Foi o que apontou o balanço do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), divulgado nesta quarta-feira (28). Conforme o órgão, em 2014 foram realizadas 248 ações fiscais, que resgataram 1.590 trabalhadores em situação análoga à escravidão.

MG - Minas Gerais lidera ranking de trabalho escravo em 2014
MG – Minas Gerais lidera ranking de trabalho escravo em 2014

No total, 354 trabalhadores estavam no Estado, o que representa 22,26%. Em segundo e terceiro lugares estão São Paulo e Piauí, com 159 e 117, respectivamente. Na região Sudeste o MTE resgatou 722 trabalhadores, 337 no Norte, 315 no Nordeste, 148 no Centro-Oeste e 68 no Sul.

Minas também liderou o ranking de fiscalização do MTE, com 46. Em seguida estão Pará (28), São Paulo e Maranhão (21 cada). Em nível nacional, a atividade em que mais houve resgate de trabalhadores em situação semelhante a escravidão foi na construção civil, com 437. Agricultura, pecuária e extração vegetal e de carvão aparecem na sequência.

O ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, afirmou que o governo não pretende se intimidar com a ação dos que promovem o trabalho análogo ao da escravidão e vai continuar atuando para coibir essa prática. “Estamos sendo mais eficientes no combate a esta prática. Sem que o combate ocorresse não teríamos esses números para oferecer”, comentou.

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *