PÓS-GRADUAÇÃO PUC MINHAS em MONTES CLAROS

Obtenha mais clientes com a sua ficha do Google
Inicio » Internacional » África » África – Pobreza diminui na África, mas continua alta, diz Banco Mundial

África – Pobreza diminui na África, mas continua alta, diz Banco Mundial

A pobreza na África subsaariana caiu nos últimos 20 anos, mas continua em níveis altos, segundo um estudo publicado pelo Banco Mundial.

No continente, onde entre 60% e 70% das pessoas vivem nas zonas rurais, "a taxa de crescimento da agricultura constitui uma enorme contribuição à redução da pobreza", disse Majtar Diop, vice-presidente do Banco Mundial para África
No continente, onde entre 60% e 70% das pessoas vivem nas zonas rurais, “a taxa de crescimento da agricultura constitui uma enorme contribuição à redução da pobreza”, disse Majtar Diop, vice-presidente do Banco Mundial para África

.

.

Em 1990, 56% da população vivia abaixo do nível de pobreza, definido como uma renda de menos de 1,9 dólar por dia. Em 2012, cerca de 43% da população tinha esse nível de renda.

O estudo destaca que apesar do crescimento econômico ajudou a avançar as áreas de saúde e educação, o rápido crescimento da população levou a um aumento da extrema pobreza.
Na África, os dados da pobreza mostram a disparidade entre as zonas urbanas e rurais.
No continente, onde entre 60% e 70% das pessoas vivem nas zonas rurais, “a taxa de crescimento da agricultura constitui uma enorme contribuição à redução da pobreza”, disse à AFP Majtar Diop, vice-presidente do Banco Mundial para África.
.
.
Segundo o estudo, a guerra e a violência continuam sendo os principais obstáculos para reduzir a pobreza.
No Burundi, a proporção de pessoas que vivem abaixo do nível de pobreza subiu para 64% em 2007, após a guerra civil que abalou o país entre 1993 e 2006. O percentual anterior era de 21%.
“Mas há menos conflitos que antes e estão mudando para uma natureza mais local”, explicou Diop.
O relatório também destaca que as pessoas que vivem nos  países ricos em recursos naturais, com ouro, petróleo ou os diamantes, às vezes devem pagar “uma taxa ao desenvolvimento”, por uma redução de 10% na expectativa de vida, menor nível de escolaridade, mais desnutrição e violência doméstica.
Os seis países onde há mais desigualdade, Botsuana, Lesoto, Namíbia, África do Sul, Suazilândia e Zâmbia ficam no sul do continente, onde há mais diamantes e minérios.
Da AFP
.

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *