FENICS 2019 - ACI

Obtenha mais clientes com a sua ficha do Google

Inicio » Colunistas » Hesiodo José » Coluna do Hesiodo José – Fragmentos Diários (aumento e também invento)

Coluna do Hesiodo José – Fragmentos Diários (aumento e também invento)

Coluna do Hesiodo José – Fragmentos Diários (aumento e também invento)

Inutilidades Públicas

John Adams, segundo presidente e um dos fundadores da nação mais poderosa do mundo, tinha um cão que amava muito. O cachorro que vivia pelos corredores da Casa Branca se chamava Satan, o animal tinha olhos vermelhos e força de cinco homens. Uma edição especial do New York Times de 2011 dez anos após a  queda das Torres, tinha uma parte dedicada ao cão que foi confiscado pela Igreja para ser sacrificado, mas numa sexta-feita 13 arrebentara  a grade em que estava no sótão de um mosteiro e matara  dois monges que vigiavam.

 A grande escritora J.K. Rowling, criadora do Harry Potter, foi demitida de seu emprego de secretária porque era muito  sonhadora.

Steve Jobs após fazer cocô, colocava os pés dentro do  vasos sanitários da Apple para aliviar o estresse.

Soltar um pum em público pode ser uma situação bastante constrangedora e desagradável, tanto para quem faz quanto para quem presencia o ato. Por isso, a Organização de Turismo do Japão alerta os turistas de que é proibido peidar em ambientes públicos no país. A medida visa manter a harmonia dos locais com livre circulação de pessoas. Um ex-jogador de futebol de Montes Claros contou que nunca se esquecera da comidinha da mãe, feijão com farinha e torresmo, arroz, bife e um ovo frito, mas como em casa nunca se incomodaram com seus peidos, já que todo mundo peidava, desde o irmão menor até a irmã mais velha que era advogada, passando por pai e mãe, ele jogou no Rio e peidou, em São Paulo peidou, foi para a Bahia a coisa desatinou porquê além do feijão, arroz, torresmo, ovo e bife, vinha o camarão a cebola a pimenta, no vestiário as vezes ele ficava sozinho. Daí foi para o Japão, treinador falando Inglês, massagista falando francês, e, os companheiros uns falando japonês, outros  Coreano e Chinês. O organismo já estava acostumado a liberar os gazes a qualquer hora, mesmo ele comendo muito pouco dos ingredientes da mamãe! E tome-lhe peido, tome-lhe peido. Ele achava que ninguém se importava, ouvia zum-zum-zum, mas saiam de perto até o dia em que andando  na rua se libertando do molho de sushi,  um guarda mandou que ele  encostasse  na parede. — Sou jogador de futebol! – argumentou. — E eu com isso! – respondeu o guarda falando em Japonês.  Resumindo, foi preso e  o time pagou a fiança, um tradutor disse nas palavras do prefeito da cidade que era  presidente do clube; — Quando quiseres peidar vá ao banheiro, senão suma do Japão seu peidão! Arigatô.

Riso da Hora

O sujeito chegou naquela cidade e ficou sabendo que o José queria vender um burrinho. Achando o bichinho muito simpático, ele perguntou: – Qual é o nome dele? – Num sei, não… – Como não sabe? O bicho não é seu? E o caipira: – Só qui eu num sei qual é o nome dele… eu chamo ele de Zeca, sô.

Fica assim, amanhã tem mais…

Por Hesiodo José

Hesiodo José
Hesiodo José

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *