Casa das Apostas Online Betway

Últimas Notícias

SAIBA MAIS AQUI - FAÇA CLICK

Inicio » Colunistas » Hesiodo José » Coluna do Hesiodo José – Fragmentos Diários (aumento e também invento)

Coluna do Hesiodo José – Fragmentos Diários (aumento e também invento)

Coluna do Hesiodo José – Fragmentos Diários (aumento e também invento)

 

Inutilidades Públicas

A vida de Ladrão

O ladrão rouba por falta de  coragem de trabalhar, ou melhor de raciocinar sobre o que faz. Ladrão é um trabalhador que na maioria das vezes, trabalha mais que o sujeito honesto e ganha muito menos.  Pesquisa recente da Revista “Uai Sô” da cidade de Aparecida do Mundo Novo revela que um ladrão para detonar um caixa eletrônico e roubar mil reais, ele gasta em média 36 horas de trabalho e desembolsa 2000 reais com os artefatos, ou seja o prejuízo chega a quase mil e tantos por cento. Veja este que saiu na televisão, seu nome José Alberico Pinetico da Silva, vulgo “Nucopim”. Ele morava em uma cidade há 100 km de Montes Claros, local onde fica a farmácia que ele assaltou, Nucopim ficou matutando por uma semana, pediu emprestado ao pai 300 reais, passagem, diária de hotel e comida. Gastou ainda mais 100 para comprar um simulacro de pistola e uma touca ninja de 10 reais. Tudo certo, esperou disfarçado que o movimento diminuísse, naquela tensão gastara mais 30 reais de cerveja e cachaça para tomar coragem. As 22h adentrou ao estabelecimento, bêbado esquecera de colocar a touca, ao fazer o movimento de empunhar a pistola o balconista viu que não era de verdade e se atracou com ele. Nucopim, mesmo bêbado era mais forte, então se livrou do homem e foi correndo ao caixa, enfiou a mão no que dava para levar e saiu com os bolsos cheios. Chamaram a policia e ele foi encontrado no hotel sendo garguelado pelo segurança para pagar a conta antes de ir embora. O que conseguira na farmácia era pouco mais de 30 reais em notas de 02,00 reais. Nucopim não tinha dinheiro para a fiança e está preso até hoje.

Norte de Minas – Adulteros ficam presos na hora H

Um homem de 32 anos, identificado como Barnabé de Jesus, ficou preso na esposa de seu melhor amigo,  identificada como Mauristania Beleléu, enquanto fazia sexo em seu apartamento na cidade de Curvelo – MG. Barnabé  informou que o amigo, Flaviano Passatempo, sabia da traição e armou para eles, jogando um feitiço que deixou o casal presos em um lençol. Eles foram descobertos quando começaram a gritar de dores genitais, atraindo a atenção dos vizinhos de um colégio ao lado. Os dois foram encaminhados ao hospital local, não se sabe exatamente o que causou o incidente. Os médicos desconfiam que a mulher sofre de vaginismo (contração involuntária dos músculos do órgão genital feminino, tornando a penetração impossível e/ou dolorosa). O marido da traidora disse que a única coisa que lhe importa no momento é a guarda dos filhos. “Aquela desgraça, nem pintada de ouro quero ver na minha frente!” – Concluiu Flaviano que vinham desconfiando da mulher desde o ano passado.

Riso da Hora

Fica assim, amanhã tem mais…

Hesiodo José
Hesiodo José

Aviso

  • • Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.
  • • Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *