Casa das Apostas Online Betway

Últimas Notícias

SAIBA MAIS AQUI - FAÇA CLICK

Estudo sugere que Alzheimer pode ser transmitido por sangue

Estudo sugere que Alzheimer pode ser transmitido por sangue

Um estudo publicado nessa quarta-feira (1) na revista “Molecular Psychiatry” sugere que um tipo de proteína produzida em todo o corpo é capaz de ultrapassar a barreira protetora do cérebro, provocando Alzheimer. Além disso, o experimento realizado com camundongos demonstrou que a condição talvez possa ser transmitida pela transfusão de sangue.

Os pesquisadores fizeram o experimento sobre a ação de proteína ligada ao Alzheimer em camundongos
Os pesquisadores fizeram o experimento sobre a ação de proteína ligada ao Alzheimer em camundongos

 

Weihong Song, professor da Universidade da Colúmbia Britânica, em Vancouver, no Canadá, e coautor do estudo, explicou que a barreira entre o sangue e o cérebro enfraquece com a idade: “Isso deve permitir que mais beta-amiloides se infiltrem no cérebro, complementando as que são produzidas pelo próprio cérebro e acelerando a deterioração”.

A beta-amiloide é a principal substância das placas de amiloide, que provocam a deterioração das atividades cerebrais em pacientes com demência. A proteína é produzida naturalmente pelo cérebro, mas também em outras partes do organismo, como nas plaquetas, nos vasos sanguíneos e nos músculos.

No experimento, Song e o colega Yan-Jiang Wang, da Terceira Universidade Médica Militar da China, em Chongqing, conectaram um camundongo sadio a outro que carrega um gene humano mutante que produz altos níveis de beta-amiloide, fazendo com que os dois animais compartilhassem o sangue.

Segundo Song, após um ano, o camundongo normal “contraiu” a doença de Alzheimer pelo sangue carregado com a proteína do animal mutante.

A beta-amiloide entrou na corrente sanguínea do roedor sadio e foi capaz de ultrapassar as barreiras que protegem o cérebro e formar placas de amiloide, provocando a doença. O camundongo “contaminado” apresentou degeneração das células neurais, inflamação e pequenas hemorragias.

Para Tara Spires-Jones, da Universidade de Edimburgo, o estudo tem seu valor por demonstrar que a proteína beta-amiloide pode se espalhar por todo o corpo, mas ressalta que “não existem dados que indicam que as pessoas devem se preocupar em pegar Alzheimer por transfusão de sangue”.

Esperança. Weihong Song acredita que drogas podem ser criadas para destruir a beta-amiloide antes que ela consiga alcançar o cérebro.

Compreensão. A doença de Alzheimer é uma enfermidade do cérebro, mas precisamos prestar atenção a todo o corpo para compreender de onde vem e como pará-la, disse Weihong Son.

Aviso

  • • Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.
  • • Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *