Inicio » Mais Seções » Famosos » Claudia Leitte é condenada a pagar R$ 382 mil a seu ex-guitarrista

Claudia Leitte é condenada a pagar R$ 382 mil a seu ex-guitarrista

Claudia Leitte é condenada a pagar R$ 382 mil a seu ex-guitarrista

A cantora Claudia Leitte e a Ciel Empreendimentos, produtora que gerencia a carreira da artista, foram condenadas a reconhecer o vínculo de emprego com o ex-guitarrista da sua banda, que trabalhou para ela entre 15 de agosto de 2009 e 15 de março de 2014. Segundo a Justiça Trabalhista, o processo transitou em julgado e dele não cabe mais recurso.

Claudia Leitte é condenada a pagar R$ 382 mil a seu ex-guitarrista
Claudia Leitte é condenada a pagar R$ 382 mil a seu ex-guitarrista

 

As informações foram divulgadas pelo Tribunal Regional do Trabalho da 5.ª Região nesta terça-feira, 28.

A Ciel Empreendimentos é controlada pelo empresário Claudio de Oliveira Inácio, pai de Claudia Leitte.

O juiz Adriano Bezzera Costa, da 1ª Vara do Trabalho de Salvador, reconheceu que o músico trabalhou para a cantora a partir de provas testemunhais. O reclamante participava de uma média de onze shows mensais, recebendo, por cada um deles, R$ 800 (2010/2011), R$ 1 mil (2012/2013), R$ 1,2 mil (2014), valores que eram triplicados no carnaval. O valor que ele deve receber é de R$ 382.668,71, segundo a última ordem judicial.

A empresa terá que fazer o registro em sua carteira de trabalho, além de pagar aviso-prévio, férias, 13º salário, multa de 40% do FGTS e seguro-desemprego. No entanto, foram indeferidos os pedidos de dano moral e horas extras e julgado sem resolução de mérito o pedido de adicional de insalubridade.

A cantora recorreu da decisão, alegando que o músico não tinha contrato de exclusividade com ela e apenas prestava serviços como guitarrista, mas a 5ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da Bahia (TRT-BA) manteve a decisão.

“A exclusividade da prestação de serviços não é requisito essencial à configuração da relação de emprego”, afirma em seu voto o desembargador Paulino Couto, relator do acórdão.

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeitosas e construtivas. O espaços abaixo são destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail valido).



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *