Vaga no Bolso
Inicio » Colunistas » Adilson Cardoso » Coluna do Adilson Cardoso – O mundo passa do outro lado da praça

Coluna do Adilson Cardoso – O mundo passa do outro lado da praça

Coluna do Adilson Cardoso – O mundo passa do outro lado da praça

Todos os dias, abro o computador para olhar na internet as fotos antigas e atuais das atrizes. Gosto de ver como eram e como estão agora, Olivia Newton Jhon está com 69 anos, a página que eu abri a mostrava  novinha, época do filme  Grease nos tempos da brilhantina, se não me engano é de 1978.

Ela nasceu em 1948, no mês de setembro. Se eu fosse famosa  não permitiria  revelar minha idade. Por isso  não nasci com dom para á  arte, sou muito introspectiva, gosto de assistir novela e ver clip de  musica sertaneja, adoro uma de Leonardo, aquele cantor cachaceiro que o irmão  morreu  queimado num acidente de carro.  Não, espera ai, estou confundido as coisas, o irmão dele morreu parece que foi de AIDS, é foi de AIDS. Também a maioria desses artistas não sabe o que quer, ficam com homem, com mulher e até com cachorro, eu já vi Num vídeo uma mulher chupando um cachorro, eca!. Deus que me livre. Dizem que isso é modernidade. Tive uma amiga que  se chamava Dejanira, aquilo era uma  mulher bonita! Tem atriz de novela que não chega aos pés do que Dejanira era, confesso aos meus botões que  um dia  fiquei com inveja dela, quando  me convidou para ir ao Cinema, nem me lembro que filme passava, seu  pai levou a gente de carro, Dejanira estava sentada no banco da frente e uma prima dela atrás comigo. Quando descemos na porta do cinema, seu cabelo  foi se soltando em cachos, parecia atriz de Hollywood para ganhar o Oscar,  usava uma sandália baixa de couro com umas fitas amarradas até certa altura das canelas, uma minissaia preta com uma blusa de linho também preta, folgada, mas com um decote generoso  sob um laço de cordão cinza. Dejanira tinha lindos seios. Era alta e simpática. Todo mundo em volta passou a olhar para ela, eu fiquei completamente invisível. Pisava do lado dela como se fosse sua serviçal, até o guarda que controlava o transito parou os carros para perguntar se ela trabalhava em algum filme que seria exibido. Fingi que ia ao banheiro e fui embora desesperada chorar no travesseiro. Dejanira casou-se com um cara rico, dono de uma revendedora de carros, até para ir ao supermercado ela tinha motorista, nos víamos muito pouco, eu evitava os encontros. Não queria me lembrar que era baixinha,  pobre, sem namorado e ainda me chamava Clarabela. Meu pai era fã de uma vaca da turma do Mickey. Não é por maldade, mas bem que  eu queria ter visto o rosto de Dejanira  quando descobriu que o marido era  Veado, eu até guardei o recorte do jornal, “Empresário é esfaqueado por garoto de programa em Motel de Luxo”. Dejanira mudou-se para o Rio de Janeiro e virou empresária de roupas de Grifes famosas, o divorcio deixou ela rica. Acho que quanto mais bonita a pessoa, mais sorte tem, só pode ser isso. Por mim, que seja feliz! Agora me lembrei, o irmão de Leonardo não morreu de AIDS, quem morreu de AIDS foi Cazuza e aquela atriz que trabalhou na novela de Tieta. Cabeça ruim  esta minha, agora nem me lembro da musica que gosto, mas sei que o cara que morreu queimado no acidente de carro foi  João Paulo que fazia dupla com aquele bonitão que foi namorado de Xuxa, parece que é Manoel! Droga de cabeça ruim, e você cachorro preguiçoso? Fica ai só ouvindo  eu  falar,  besta é quem acredita que cachorro é inteligente, aliás, para algumas coisas você é inteligente não é Lampião? Na hora que comer pula em cima da gente, fica  abanando o rabo, late parecendo que quer falar, mas não faz como os Papagaios. Na casa da Lola tem uma Arara Vermelha, o que o  bicho tem de bonito tem de chato, até meu nome ele sabe, “Clarabela, Clarabela!” fica só repetindo quando eu chego lá, como se  eu gostasse de ter nome de vaca de desenho animado! No mínimo foi a  beiçuda da Lola quem  ensinou, Nêga feia metida a Esteticista! Eu vejo como  ela fica rindo com aquela boca grande, incentivando o bicho repetir meu nome, aposto  se eu me chamasse Jaqueline Kennedy Onassis ele não conseguiria falar!  Melhor eu ir para minha janela, não quero criar raiz neste sofá, gosto de ver  gente! Olha só, veja se dona Violeta tem idade para  usar  aquela calça colada, a bunda parece gelatina, cadê o desconfiometro comadre? Olha que ridículo! E seu Amador? Não sai daquele banco com o jornal na frente da cara, deve ter uns vinte anos que é a mesma coisa, velho safado! Quando passa uma novinha de bunda arrebitada ele para a leitura, mas que  mundo de gente sem vergonha é esse meu Deus?! Eu só sou alguns anos  mais velha que Olivia Newton Jhon, e olha que nunca fiz plástica, aliás, fiz uma só aqui na barriga e outra  para subir a pelanca do braço, e daí?É engraçado,  gente famosa faz mais de não sei quantas plásticas e ninguém fala nada, aquela cantora Anita fez outro  nariz e outra boca, Michael Jackson conseguiu ficar branco, uma apresentadora ai que não gosto de falar o nome, esticou tanto a cara que parece estar de mascara, não consegue nem  abrir a boca!  Quê que você está latindo cachorro? Quer dar uma voltinha na praça? Espera eu  passar um perfume, seu Amador já me deu umas olhadas lá de baixo, velho safado! Qualquer dia chamo  ele aqui em cima  para dar uma arrochada no parafuso da cama! Vamos logo Lampião e vê se não me faça passar vergonha ouviu? Nada de urinar na bicicleta do seu Amador, pelo amor de Deus!

 

Adilson Cardoso
Adilson Cardoso

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *