Inicio » Minas Gerais » Minas registra 76 casos suspeitos de Sarampo, aponta novo balanço

Minas registra 76 casos suspeitos de Sarampo, aponta novo balanço

Minas registra 76 casos suspeitos de Sarampo, aponta novo balanço

Setenta e seis casos suspeitos de sarampo são investigados em Minas, segundo o boletim epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde, divulgado nesta quinta-feira (9). São 13 casos a mais desde o último informe. 

Com campanha, Governo quer imunizar 95% da população dentro desta faixa etária
Com campanha, Governo quer imunizar 95% da população dentro desta faixa etária

 

Atualmente são 130 casos suspeitos notificados, sendo 54 casos descartados e os 76 que estão em análise na Fundação Ezequiel Dias (FUNED-MG).

Dos casos investigados, 29,23% são de crianças com idade entre um e quatro anos, seguido da faixa etário entre seis e 11 anos, com 15,38% dos casos.

As regiões com maior número de notificações são o Centro-Oeste, o Leste e o Triângulo Mineiro. Já as cidades com mais casos suspeitos são Entre Folhas, no Vale do Rio Doce, com 10 casos; Belo Horizonte, com  nove; Limeira do Oeste, com oito e Piumhi, no Centro-Oeste, com sete casos.

Segundo dados do Ministério da Saúde de 2018, os estados de Roraima e Amazonas detectaram os primeiros casos importados da doença. Atualmente, estes dois estados apresentam o maior número de notificações e confirmações de sarampo, totalizando 1069 casos confirmados laboratorialmente e 6.553 notificações.

Do total de casos confirmados na região Norte, 788 são provenientes do estado do Amazonas, 281 de Roraima, dois do Pará e um de Rondônia.

A região Sudeste é a mais acometida, com um total de 15 casos confirmados, sendo 14 do Rio de Janeiro e um caso confirmado de São Paulo. Os estados de Minas Gerais e Espírito Santo ainda não registraram nenhum caso confirmado.

A região Sul segue com 13 casos confirmados, e por último, as regiões Nordeste e Centro-Oeste, sem nenhum caso confirmado da doença.

O sarampo é uma doença viral, infecciosa aguda, grave, transmissível, altamente contagiosa e comum na infância. A doença começa com febre, exantema, que são manchas avermelhadas pelo corpo e sintomas respiratórios e oculares.

Campanha

E a melhor forma de prevenção é a vacinação. No dia 6 deste mês teve início a Campanha de Vacinação contra a poliomielite (paralisia infantil) e o sarampo que vai até o dia 31 de agosto. O Ministério da Saúde espera vacinar 11,2 milhões de crianças entre 1 e 5 anos. Em Belo Horizonte, a expectativa da PBH é imunizar 109.439.

Na capital, todos os 152 estão preparados e a capital recebeu 169 mil doses da vacina contra o sarampo e 131.151 das vacinas contra pólio.

Esquemas de vacinação por idade

Aos 12 meses de idade, a criança deverá receber a primeira dose da vacina tríplice viral (que protege contra o sarampo, a rubéola e a caxumba).

Aos 15 meses de idade, a criança deverá receber a segunda dose com a vacina tetraviral (contra o sarampo, a rubéola, a caxumba e a catapora/varicela) ou a vacina tríplice viral e a de varicela monovalente.

De 02 a 29 anos, caso não tenha nenhum registro de dose da vacina tríplice ou tetraviral, deverão receber duas doses com intervalo de no mínimo 30 dias da primeira dose.

De 30 a 49 anos, caso não tenha nenhum registro de dose da vacina tríplice ou tetraviral, deverá receber apenas uma dose.

Após 49 anos de idade, não é necessário a vacinação porque são consideradas imunes.

Profissionais de saúde (médicos, enfermeiros, dentistas e outros), independente da idade, devem ter duas doses válidas da vacina tríplice viral documentadas.

Profissionais de transporte (taxistas, motoristas de aplicativos, motoristas de vans e ônibus), profissionais do turismo (funcionários de hotéis, agentes, guias e outros), viajantes e profissionais do sexo devem manter o cartão de vacinação atualizado conforme os esquemas vacinais.

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *