FENICS 2019 - ACI

Inicio » Montes Claros » Justiça dá prazo para prefeito Humberto Souto explicar falta de pagamento aos servidores

Justiça dá prazo para prefeito Humberto Souto explicar falta de pagamento aos servidores

Justiça dá prazo para prefeito Humberto Souto explicar falta de pagamento aos servidores

A Prefeitura de Montes Claros foi notificada pela Justiça a prestar esclarecimentos pelo não pagamento do salário de novembro aos servidores da educação. O mandado foi expedido na terça-feira pela juíza Rozana Siqueira da Paixão, da 1ª Vara da Fazenda Pública de Montes Claros.

MOBILIZADOS – Servidores permanecem na porta da prefeitura pressionando Executivo a liberar salário
MOBILIZADOS – Servidores permanecem na porta da prefeitura pressionando Executivo a liberar salário

 

Segundo o documento, o prefeito Humberto Souto teria que prestar “com urgência, com prazo de 24 horas, informações pelo não pagamento dos professores”. Em despacho que acompanhou o mandado, disse basear sua posição “em razão da gravidade da medida pleiteada”.

Também na terça-feira, após toda a polêmica gerada em reunião com o prefeito, a diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Sistema Público Municipal de Montes Claros (Sind-Educamoc) acionou o Ministério Público.

Em mais um dia de protestos em frente à sede do Executivo, os servidores da educação cercaram o carro do secretário de Planejamento e Gestão, Cláudio Rodrigues de Jesus, o “Claudim da Prefeitura”.

O gestor se elegeu vereador em 2009 tendo como base eleitoral justamente os funcionários da educação e, em 2013, candidatou-se a vice-prefeito na chapa encabeçada pelo atual prefeito.

Tão logo chegou ao prédio, o veículo do secretário foi cercado pelos grevistas aos gritos de “traidor, covarde, pau mandado”. No capô do carro foi afixado um cartaz com os dizeres: “Comércio não sobrevive sem dinheiro, sem compras de Natal”, numa alusão ao fato de a categoria movimentar o comércio local.

Enquanto o secretário Cláudio Rodrigues era tratado com hostilidade, o prefeito Humberto Souto concedia entrevista a uma emissora de rádio reafirmando não ser sua a obrigação de efetuar o pagamento dos 4 mil servidores da educação.

“Quem mais sofre com o problema dos professores é o prefeito, que está sentido, chocado”, disse Souto, alegando que está usando o dinheiro que tem em caixa para “asfaltar a cidade inteira”, reafirmando o que disse no início da semana – e que irritou os sindicalistas – de que não deixaria de realizar obras e, principalmente, asfaltar a cidade para pagar professores.

“Percebe-se nessa fala o descaso diante do sofrimento do outro, descaso porque demonstra desconhecer a realidade da educação no município e de como os professores sobrevivem”, afirma Juliana Miranda, vice-presidente do Sind-Educamoc.

Para a servidora, a postura de Souto mostra “o quanto ele é desumano e fere o nosso direito de receber os nossos salários. Fica na gente um sentimento de revolta por aqueles que deveriam cuidar da educação”.

REAÇÃO

A hostilidade ao titular da pasta de Planejamento e Gestão foi gerada a partir de postagem do secretário nas redes sociais alegando que “se o município continuar cobrindo o rombo deixado pelo governo do Estado, em breve não teremos como pagar os demais servidores”.

O relato evidenciou a postura do prefeito, alegando “que entende o drama dos professores, mas que está de mãos atadas”, e deixando a entender que a comissão de sindicalistas e vereadores foi bem recebida pelo líder do Executivo.

No entanto, uma enxurrada de comentários discordando da declaração foi postada na rede do secretário, enfatizando que Cláudio Rodrigues faltava com a verdade, “porque o prefeito não falou dessa forma, ele humilhou os presentes”, dizia um deles. Ontem à tarde, os comentários mais contundentes foram apagados.

“Decepção, desrespeito, mentira, desumanidade” – palavras que deram a tônica aos comentários. “Solidariedade não paga as contas e nem leva alimentos para dentro de casa”, disse a educadora Simony Barbosa. Para Jane Irley, “a situação é humilhante e, nas próximas eleições, não nos esqueceremos de quem ficou e não ficou ao nosso lado”.

Nelson Cavalcante disse que esperava mais do secretário”.

O secretário Cláudio Rodrigues disse que a manifestação dos servidores é “legítima”. “Salário é sagrado. Porém, têm que entender que a culpa é da falta do repasse do governo do Estado. Trabalhador tem que receber”, enfatizou o secretário, afirmando que o “prefeito está fazendo de tudo, sobretudo para que o novo governador garanta os recursos que custeiam o pagamento dos servidores”.

Quanto às reações no Facebook, Cláudio disse que é “um direito”. “Quem está sem receber tem direito de reclamar. A gente faz compra com o salário que recebe. Tem que manifestar para que o novo governo entenda a importância desses repasses”.

Assista ao Vídeo:

Por Manoel Freitas – Portal ONorte

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *