FENICS 2019 - ACI

Inicio » Economia » Novas Regras para a aposentadoria 2019

Novas Regras para a aposentadoria 2019

Novas Regras para a aposentadoria 2019

Nos últimos meses, o assunto do momento é a reforma previdenciária e como o Governo Federal vai definir a aposentadoria de milhares de brasileiros. O tema é importante para todas as gerações. Para quem está no mercado de trabalho há décadas e agora terá de estender um pouco mais os anos trabalhados para ter direito ao benefício integral, ainda para os jovens que se preparam para iniciar a vida profissional com foco nos meios de aposentadoria privada.

Novas Regras para a aposentadoria 2019
Novas Regras para a aposentadoria 2019

 

Mateus Augusto Silva Amaral, advogado especialista em Direito Previdenciário e Membro do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário – IBDP, explica que “a aposentadoria por tempo de contribuição será extinta, segundo a proposta do governo enviada ao Congresso. Se for aprovado, o sistema de pontos que será adotado e abrange além do tempo de contribuição, a idade”. Ele exemplifica: “uma mulher com 50 anos deverá ter 36 anos de contribuição para somar, 86 pontos e ter direito a aposentadoria”.

Mas e quem já tem muitos anos de contribuição? Dr Mateus Amaral diz que haverá uma regra de transição. “Será acrescido 1 ponto a cada ano de contribuição, até chegar a 100 pontos para mulheres e 105 pontos para homens”. Ele lembra que deverá ser preservado o direito adquirido de quem já se encontra aposentado.

Nas regras atuais, no setor privado não existe idade mínima para alguém se aposentar. De acordo com a proposta da reforma, a idade mínima agora passará a  ser de 62 anos para mulher e 65 para homens. O especialista conta que “no setor público, as idades serão as mesmas do setor privado, porém, em ambos os casos, há a necessidade de, pelo menos, 20 anos de contribuição para ter direito a aposentadoria”.

Outro ponto a ser discutido é que para ter direito a 100% do benefício, deve ser feita a seguinte conta: a cada ano que se contribui além dos 20 anos, aumentam 2 porcento; desta forma,  o valor integral só chegará quando se atingir 40 anos de contribuição. Dr Mateus pontua que “um dos pontos no rol de mudanças que salta aos olhos, é a previsão de benefícios de prestação continuada ao idoso. “Esse valor poderá ser de 400,00 a partir dos 60 anos e subir para 1 salário mínimo apenas quando se atingir 70 anos. Uma perda para esta faixa etária, tão sofrida com altos custos de medicamentos e busca por qualidade de vida”.

E quando se trata da aposentadoria rural, a Reforma Previdenciária prevê a contribuição de no mínimo 20 anos, além de comprovar a atividade rural. “No Norte de Minas temos milhares de idosos que poderão ficar sem o benefício pela falta de recursos para contribuir com o INSS”, comenta Dr Mateus.

Ainda dentro da proposta a ser votada pelos parlamentares, no caso dos professores públicos,  a idade era de 55 e sobe para 60 anos. Para outros profissionais, como agentes de segurança, haverá  uma regra diferente, visto questões como periculosidade da função. Assim, em breve, deverá ser apresentada a proposta dos militares.

Dr Mateus destaca que “a Reforma Previdenciária precisa de 60% de aprovação do Senado, e 60% dos deputados federais”. A partir de agora vigora a fórmula 86/96, ou seja, atualmente, enquanto nenhuma mudança foi confirmada, esta é a fórmula em vigor. “Espera-se que durante este processo os pontos mais penosos da proposta sejam alterados e não prejudiquem tanto a população de baixa renda”, conclui.

Mateus Augusto Silva Amaral, advogado especialista em Direito Previdenciário e Membro do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário – IBDP
Mateus Augusto Silva Amaral, advogado especialista em Direito Previdenciário e Membro do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário – IBDP

 Por Nágila Almeida

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *