PÓS-GRADUAÇÃO PUC MINHAS em MONTES CLAROS

Obtenha mais clientes com a sua ficha do Google
Inicio » Mais Seções » Livros e Literatura » Resenha literária – A Canção dos Nove Céus

Resenha literária – A Canção dos Nove Céus

Resenha literária – A Canção dos Nove Céus

Título: A Canção dos Nove Céus

Autor: Emilly Amite

Gênero: Literatura brasileira//Romance//Fantasia

Editora: Hope

Páginas: 351

A Canção dos Nove Céus
A Canção dos Nove Céus

 

Sinopse:

Luyen vivia uma vida tranquila na Floresta de Peregris, isolada de outros humanos, mas sempre acreditou que isso fosse por causa da profissão dos pais: um lenhador e uma herborista. Mantida longe do convívio de outras pessoas, Luyen acabou se apaixonando por um jovem caçador que foi morar na floresta.

Porém, numa noite de chuva, a tempestade chegou e os raios destruíram a máscara que Luyen vestia sem saber. A jovem se descobriu uma Tormentadora, um dos seres Celestiais, que não deveria viver no Reino Humano. Ao tentar descobrir quem realmente é, Luyen acabou capturada por outros celestiais que buscavam um criminoso que poderia estar refugiado no Reino Humano.

Lugar errado e hora errada, ou simplesmente destino?

Luyen caiu dos céus, e não é uma metáfora. Foi resgatada por Den, enquanto o mundo se explodia em raios e trovoadas. Na tempestade, pedaços de um Céu caiam perto da floresta Peregris. “Cinco passos era a distância entre mim e aquele bloco. Forcei meus olhos, em choque, a olharem para cima a tempo de ver, bem alto no céu, quase no meio da floresta, uma cidade inteira, desmanchando-se enquanto raios a atingiam e esfarelavam blocos ainda maiores do que o que caiu perto de mim… Pensei em fugir, mas uma massa negra rodopiante se soltou dos escombros e veio em minha direção… A massa se chocou contra meu peito… Embrulhado no manto negro havia um bebê”, Den.

E se fossemos meras criaturas para divertimento dos deuses? O conto dos céus é mais antigo é mais antigo do que o próprio conto. E se um dia você dorme mortal, acorda sendo um deus e descobre que todas as histórias narradas por gerações não passam de verdades? Se por um instante você quisesse uma dose de ilusão e acreditasse seriamente na existência de nove céus acima de nós, sendo que:

O nono reino é o Oásis Celestial, que segundo os seres mágicos nem eles podem alcançar. Desligado dos oito céus, ninguém jamais pôde entrar àquelas moradas. “Para nós, terrenos, eles são divindades criadoras da vida no mundo”.

“Os Primeiro e o Segundo Céus, reinos habitados por Solaris, criaturas místicas com a pele dourada… capazes de controlar os ciclos da vida abaixo deles e também a mente de outros Celestes”.

Os Terceiro e Quarto Céus, habitados por Ventus, criaturas dotadas de beleza sobrenatural… são capazes de mudar os ventos e as mudanças outonais. São as criaturas mais pacíficas dos Céus”.

Os Quinto e Sexto Céus, habitados por Tenebris, criaturas das sombras, que podem assumir a forma que desejarem, mas são sempre escuros, cercados de trevas, levando dor e destruição para onde vão e tem a estranha habilidade de neutralizar o poder dos Vernuns”.

“E, por fim, os dois mais perto da terra, o Oitavo e o Sétimo Céus, governados por Vernuns, favoritos dos deuses depois dos Teenebris, são criaturas nascidas das tormentas e tempestades, manipuladores de energia, alguns criados da mais pura energia”.

A obra, de Emilly Amite, é daquelas que aquece o nosso coração, e nos deixa com ressaca literárias por dias. A magia existe de verdade em cada uma das páginas, arrancaria risos até dos mais ranzinzas. Nos comove e nos inspira.

Os personagens centrais são grandes, gigantes, eu diria, impossível não se apegar a cada um, no entanto me apaixonei por Hamza e Honén. Luyen, não há o que falar dela, é perfeita, uma celeste com roupagem humana, capaz de mudar o Céus, dona de sua própria vontade.

A escrita da Emilly é sofisticada e convidativa. Prende o leitor do início ao fim sem ameaças de querer parar no meio do caminho. O difícil mesmo, é querer chegar ao final, e ter aquela estranha sensação de quero mais.

Amigos leitores, o livro está disponível na Amazon por R$ 5,99. Vocês também podem adquiri-lo na forma física no site da editora Hope. Ao fazer suas compras no site use o nosso cupom e ganhe desconto.

Cupom: JORNAL.

Tenha uma ótima leitura, não deixe de ver essa resenha lá no meu canal. E tenha muito cuidado ao ver um CÉU caindo, uma celeste poderá habitar entre vós.

Conhecendo a autora:

Emilly Amite, é carioca de Itaboraí, 27 anos, escritora, mãe de Emy Leona e Emy Lórien.

Emilly Amte
Emilly Amte

 

A autora conta que começou a escrever ainda criança, “o que tentei escrever como um livro mesmo, foi aos 14 anos. Era sobre uma escola de bruxas na Amazônia. Aos 17 peguei a personagem principal do primeiro livro e adaptei ela para outro mundo, foi assim que completei meu primeiro livro, Do outro lado do espelho”, disse.

O gênero literário preferido da escritora é fantasia, ela tem uma série publicada, Doze Mundos, e mais onze livros digitais, sendo um em inglês. “ Eu amo fantasia, me inspiro principalmente em jogos e animes, mas os autores que me fascinam com seus livros e escrita são Andrzej Sapkowski, Sarah J. Maas, Holly Black, Yasmim Mahmud Kader (autora linda BR) ”, contou.

A mãe de Emy Leona e Emy Lórien, tem grandes expectativas para seus livros, “O meu sonho é ter a minha série conhecida pelo Brasil, é descobrir grupos de livros com os meus como tema, e um dia ter eles transformados em mangás e anime (e talvez até jogos de mundo aberto! Ahh, sonho de princesa, risos) ”, compartilhou.

Desejamos todo o sucesso a essa autora incrível, e convidamos nossos leitores a valorizarem nossa literatura.

 

 

Espero que tenha gostado dessa resenha, semana que vem tem mais. Um grande abraço, e conversem comigo:

Instagram: @nubiaistela

Twitter: @nubiaistela

YouTube: Núbia Istela

Facebook: Núbia Istela

Núbia Istela
Núbia Istela

 

 

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *