SMART FIT - MONTES CLAROS

Turbo Pesquisa - CLIQUE AQUI PARA MIAS INFORMAÇÕES
Inicio » Nacional » Queimadas em Rondônia deixam a capital imersa em fumaça

Queimadas em Rondônia deixam a capital imersa em fumaça

Queimadas em Rondônia deixam a capital imersa em fumaça

Uma sucessão de incêndios em florestas e reservas por todo o Estado de Rondônia têm causado mortes, perdas e mudanças na rotina da população. Com queimadas se extendendo por vários dias, a fumaça mergulhou até a capital, Porto Velho, numa nuvem interminável de fumaça.

Queimadas em Rondônia deixam a capital imersa em fumaça
Queimadas em Rondônia deixam a capital imersa em fumaça

 

Focos de incêndio foram registrados em regiões diversas na última quinzena, em meio a um dos períodos mais secos do ano no Estado. Entre 6 e 16 de agosto, o Corpo de Bombeiros do Estado atendeu a mais de 210 ocorrências de queimadas.

Alguns destes focos atingiram locais que também abrigavam assentamentos e fazendas, representando um risco à vida. Na quarta-feira (14) um casal foi encontrado carbonizado em meio aos escombros de sua casa, no assentamento Galo Velho, a 350km de Porto Velho.

Ainda na zona rural do estado, fazendeiros começaram a abandonar seus terrenos e casas ao avistar o fogo se aproximando. No município de Nova União, uma queimada se alastrou por mais de 15 dias numa área de reserva ambiental.

Esta atividade acabou por sufocar o céu rondonense com uma fumaça densa e persistente. A taxa reduzida de umidade do ar, além de propiciar o surgimento de novos incêndios, dificulta a dissipação da fumaça e seus componentes. Por todo o Estado, está em vigor um alerta para o tempo seco, com a umidade já atingindo 14% – valores abaixo dos 30% já passam a ser considerados prejudiciais para a saúde humana.

Outro fator de preocupação no aumento das queimadas está no aumento da concentração de monóxido de carbono (CO) na atmosfera. O CO é um gás produzido na combustão, reação química provocada pelos incêndios na vegetação. Em certos níveis, ele pode ser tóxico e até mesmo fatal ao ser humano. Na fronteira entre Rondônia e Bolívia, esta concentração está demasiadamente alta, acima dos 500 e, em alguns pontos, dos 1200 ppbv (partes por bilhão, medida de volume).

A métrica é fornecida pelo monitor de ventos Windy. Confira a seguir a mancha de monóxido de carbono registrada em áreas de queimada:

No domingo, outro foco foi registrado em uma área de vegetação na Zona Norte de Porto Velho, no bairro nacional. Moradores foram atendidos pela Brigada Municipal de incêndio, que ajudou a controlar as chamas e resfriar a área, como prevenção.

Entretanto, após a saída dos bombeiros, o local voltou a pegar fogo, forçando a população a agir por conta própria até o retorno da equipe.

Apesar das queimadas serem, em maior parte, atribuídas ao tempo seco, estudos também têm apontado uma relação entre esta prática e a mudança no regime de chuvas na região Norte do Brasil. Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, analisaram dados dos últimos 20 anos para verificar o efeito da devastação no clima de Rondônia – Estado que já perdeu 50% de sua mata original.

Aviso

  • Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.
  • Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *