Casa das Apostas Online Betway

Últimas Notícias

SAIBA MAIS AQUI - FAÇA CLICK

Norte de Minas – Médica de Berizal leva pacientes com doença rara para casa para protegê-los da Covid-19

Norte de Minas – Médica de Berizal leva pacientes com doença rara para casa para protegê-los da Covid-19

Norte de Minas – Para preservar dois jovens pacientes portadores de uma doença rara e genética do risco de contrair coronavírus no hospital, uma pediatra de Berizal no norte de Minas Gerais decidiu levá-los para casa para seguir o tratamento na sua sala de estar.

Norte de Minas - Médica de Berizal leva pacientes com doença rara para casa para protegê-los da Covid-19
Norte de Minas – Médica de Berizal leva pacientes com doença rara para casa para protegê-los da Covid-19

Talisson Gonçalves, 8, Vanessa Gomes da Silva, 15, têm mucopolissacaridose (MPSVI) e recebem, uma vez por semana, uma medicação por meio de uma bomba de infusão, essencial para controlar o avanço da doença.

As infusões duram cinco horas e precisam ser feitas em ambiente hospitalar pelos riscos de efeitos colaterais, que vão de reação alérgica a parada cardíaca.

Até o fim de março, o menino e a menina saíam da pequena Berizal, com pouco mais de 4.000 habitantes, e percorriam, durante uma hora, 68 km até o Hospital Santo Antonio, em Taiobeiras, em uma perua da prefeitura. Em uma sala da pronto-socorro da pediatria, recebiam a medicação na veia.

A médica Marcia Novaes, 55, os acompanha há sete anos, desde que chegou ao município vinda de Santo André (SP). À época, ela decidiu acompanhar o então marido que teve um grave problema nos olhos e quis se refugir no sítio que possui em Taiobeiras.

Vanessa tinha uma irmã gêmea que morreu aos cinco anos por complicações da mesma doença genética. A adolescente tem graves deformações ósseas no pé que a impede de andar. Mede um metro de altura. Talisson, idem.

Com o avanço da pandemia, houve mudança de fluxos dentro do hospital público, o único da cidade, e ambos passariam a receber as infusões no setor de internação. A cidade ainda não tem casos confirmados de Covid-19.

“No pronto-socorro eles ficavam sozinhos, era um ambiente mais protegido. Com a mudança, eles teriam que atravessar o hospital e ficar na mesma área com crianças doentes. Fiquei com medo. São muito frágeis e não resistiram à infecção pelo coronavírus”, afirma a pediatra.

Foi então Novaes que teve a ideia de transferi-los para sua casa, a 100 metros do hospital, o que facilitaria uma rápida remoção em caso de urgência. “Eu moro praticamente sozinha Tenho uma questão maternal muito forte. Fui mãe aos 16 anos, avó aos 30 e bisavó aos 48.”

A família da médica mora em Santo André, para onde ela pensou voltar após o fim do casamento, mas desistiu da ideia após encontrar um novo namorado.

Para levar os pacientes para casa, obteve autorização da direção do hospital. Além das bombas de infusão, que custam R$ 30 mil por semana e são pagas pelo SUS, carrega outros remédios para serem usados em caso de urgência, além do balão de oxigênio. Conta com a ajuda de um enfermeiro para monitorar os jovens.

Há um mês, todas as quartas ou quintas-feiras por volta das 7h, a pediatra recebe Talisson e Vanessa com um café da manhã reforçado e os acomoda no sofá da sua sala. Mede a temperatura, os batimentos cardíacos e só então a bomba de infusão é instalada em cada um.

Liga a televisão em canal de entretenimento e as crianças escolhem o que querem assistir. “Dias desses eu vi a Vanessa sorrir pela primeira vez. Ela assistia a um desenho animado. Fiquei emocionada de ver aquele rostinho tão sofrido se iluminando. Já o Talisson prefere ouvir música.”

Por volta das 12h, eles almoçam. Às 14h a perua da prefeitura está de volta ao portão para levá-los de volta para a casa. A pediatra segue, então, para a sua rotina no hospital.

Aviso

  • • Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.
  • • Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)

2 comentários

  1. Marlene Rodrigues Nascimento

    Que gesto lindo!
    É quando a gente sabe de uma ação dessas que compreendemos a humanidade inata que move pessoas como essa médica, que coloca o amor à frente da sua profissão para transformar a vida de quem precisa de muito mais que tratamento médico, mas também de um cuidado que só uma mulher especial como a Dra. Márcia consegue oferecer. Parabéns Dra, você dignifica sua classe profissional!

  2. Que jesto lindo Humano Divino que Deus lhe abençoe Dra Márcia Novais uma médica espetacular que Deus vós abençoe hoje é sempre Nos Brasileiros e principalmente nos Taiobeirenses e mineiro temos muito orgulho de você Dra Márcia obrigada e para você Taiobeiras será sempre sua casa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *