Casa das Apostas Online Betway

Últimas Notícias

SAIBA MAIS AQUI - FAÇA CLICK

Norte de Minas – Filho de vereador que furtou ambulância no Norte de Minas é investigado

Norte de Minas – Filho de vereador que furtou ambulância no Norte de Minas é investigado

Norte de Minas – Em plena pandemia do coronavírus, o filho de um vereador de Rubelita, no Norte de Minas, resolveu furtar a ambulância do único centro de saúde da cidade após funcionários do local recusarem levá-lo para casa. O caso, que aconteceu no último fim de semana, começou a ser investigado pela Polícia Civil nesta semana.

Jovens ainda publicaram vídeo dirigindo a ambulância nas redes sociais Foto: Reprodução/Redes sociais
Jovens ainda publicaram vídeo dirigindo a ambulância nas redes sociais
Foto: Reprodução/Redes sociais

 

O suspeito reside com o parlamentar no distrito de Lagoa de Baixo, a quase 50 km da unidade. Ao chegar no local, ele procurou por dois amigos, que estavam em Salinas, e decidiu buscar a dupla na cidade vizinha. “Sumido por mais de 10h”, o veículo rodou pelo menos 100 km. Conforme o delegado José Eduardo dos Santos, o trio será ouvido nos próximos dias, além de  funcionários do hospital.

Por ter envolvido mais pessoas, Santos lembra que os jovens podem responder por furto qualificado, que tem pena de dois a oito anos de detenção. “Tem até um vídeo, gravado dentro da ambulância. O que deixou o fato mais revoltante é que eles pegaram um veículo de um município carente, que ficou desguarnecido. Se houvesse uma emergência, as pessoas não poderiam ter sido atendidas. Há muito idoso na região”, frisa.

Informações extraoficiais apontam que o filho do vereador estava sendo ameaçado, porém o delegado garante que “não há justificativa plausível para uma atitude como esse”. Antes do furto, o jovem teria acionado a Polícia Militar. Segundo o sargento Durães, que atendeu a ocorrência, o jovem procurou a corporação na madrugada de sábado após se envolver uma briga em Rubelita.

Por conta das agressões, ele foi encaminhado para a unidade de saúde e recebeu atendimento médico. “Quando foi liberado, ele pediu que a ambulância o levasse para casa, o que foi negado. Insistiu mais uma vez, o pessoal que estava de serviço se recusou”, acrescentou.

Como a ambulância estava parada do lado de fora e com a chave na ignição, o filho do vereador Édio Oliveira “aproveitou” que todos os funcionários estavam dentro da unidade e furtou o veículo. Depois de buscar os amigos em Salinas, o suspeito voltou para Lagoa de Baixo e ainda gravou um vídeo debochando da situação com uma cerveja na mão. “Fala papai, o meu carrinho é show, ambulância ó”, comentou um dos passageiros.

A cidade, que tem pouco mais de seis mil habitantes, conta só duas ambulâncias – o veículo furtado funcionava como uma reserva para a unidade de saúde, que só faz atendimentos de pequena complexidade e encaminha casos graves para o hospital de Salinas. “Depois, ele entregou o veículo para o vereador, que ainda lavou o carro e trouxe de volta para a unidade de saúde”, enfatizou o militar. O veículo deixou de atender a população entre 4h e 14h do último sábado.

Polícia só foi acionada após a entrega do veículo

E só depois do fato ocorrido, a Polícia Militar foi informada sobre o fato. “Fizemos todas as diligências com os funcionários que estavam em serviço no hospital e o boletim foi encaminhado ao Ministério Público e Polícia Civil para providências”, finalizou o sargento.

O secretário municipal de Saúde de Rubelita, Kildare John Mendes, declarou em nota que a ambulância foi devolvida “sem nenhuma avaria aparente”. Ainda conforme o dirigente, “será aberta sindicância interna pelo município para apurar eventuais responsabilidades de seus servidores”.

Por ter passado o prazo para a prisão em flagrante, o suspeito não foi detido pelos policiais militares. “Não foram presos, porque no momento que foi informado à Polícia sobre os fatos já havia exaurido o crime. Os três também não foram encontrados”, finalizou. O vereador Édio Oliveira, pai do suspeito, não foi localizado pela reportagem para comentar o crime.

Por LUCAS MORAIS do Portal o Tempo