Últimas Notícias
POS ON-LINE PUC MINAS

Montes Claros – Prefeitura de Montes Claros realiza vacinação de servidores da Saúde

Montes Claros – Prefeitura de Montes Claros realiza vacinação de servidores da Saúde

Montes Claros – Depois de anunciar oficialmente o calendário de vacinação contra o novo coronavírus nessa quarta-feira, 20, e ser a primeira cidade do interior de Minas a receber a imunização, o município deu início à vacinação dos servidores da Saúde que atuam na “linha de frente” do enfrentamento da doença.

Montes Claros - Prefeitura de Montes Claros realiza vacinação de servidores da Saúde
Montes Claros – Prefeitura de Montes Claros realiza vacinação de servidores da Saúde Fotos: Divulgação

 

Na manhã dessa quinta-feira, 21, servidores que trabalham no Pronto Atendimento Municipal Alpheu de Quadros receberam a primeira dose da vacina. Mais de 160 servidores foram imunizados. Diversos servidores de Unidades Básicas de Saúde (UBS) e da Estratégia de Saúde da Família (ESF) já tomaram a primeira dose.

Maria Socorro de Carvalho Silveira, diretora do Alpheu de Quadros, destacou que o recebimento da primeira dose significa um momento de esperança. “É com muita alegria que nós recebemos aqui no Alpheu de Quadros essas vacinas. Há cerca de um ano iniciamos uma jornada árdua de atendimento a pacientes que sofriam de uma doença que a gente não imaginava o que seria, como tratá-la, de que forma e as condutas adequadas. E, praticamente um ano depois, a gente recebe a auspiciosa notícia que já temos uma vacina para imunizar os profissionais e a população”, frisa.

Para André Sena, médico emergencialista há mais de 28 anos, “é de fundamental importância essa imunização para nos proteger e proteger nossos familiares, para que possamos continuar atendendo toda a população”.

Helen Machado trabalha há mais de um ano no Alpheu de Quadros. Ela conta que “está vivendo um momento histórico. A gente passou por uma doença que a gente nem sabia se gente iria viver, com muitas vidas perdidas, e agora é o início do alívio. Eu perdi uma tia que não tinha comorbidade nenhuma. Quando essa doença chega até nossa casa, a gente começa a ver a proporção do quanto é perigosa e assustadora. Agora eu estou mais aliviada”, desabafa.