Últimas Notícias

A época titubeante do Benfica na Liga NOS 2020/2021

Depois de uma época 2019/2020 manchada pelo início da pandemia covid, e de uma queda acentuada de rendimento na segunda metade da época – na primeira metade Lage conseguiu 16 vitórias e apenas uma derrota – o Sport Lisboa e Benfica acaba por perder o campeonato para o Futebol Clube do Porto, já perto da meta. Quem aposta no futebol português, saberá certamente o tormento que o Benfica passou na segunda metade da época.

“Vamos jogar o triplo”

Ao mesmo tempo, Jorge Jesus ganhava copa atrás de copa, incluindo o Brasileirão e a Copa dos Libertadores, granjeando o respeito dentro da torcida do Flamengo e dos jogadores do time. Assim, Luís Filipe Vieira decidiu reacender a paixão antiga de Jesus no Benfica e ir buscá-lo ao Brasil, com esperança de alterar o rumo desportivo do time. Na sua chegada, com popa e circunstância, Jesus chegou mesmo a dizer “Vamos jogar o triplo”, que ecoou na torcida, aludindo ao que disse da primeira vez que representou o Benfica: “Vamos jogar o dobro”.

“Os reforços”

Quando o Weigl e Pedrinho foram acertados, estávamos ainda no período de Janeiro de 2020. Weigl chega do Borussia Dortmund, de forma algo surpreendente, e Pedrinho vem do Corinthians, com o rótulo de craque em ascensão. Weigl entrou desde logo no time, e Pedrinho ficou prometido para o Verão. À equipe juntaram-se ainda Luca Waldschmit, centroavante internacional alemão, Everton Cebolinha, conhecido por toda a galera do Brasil, e internacional também pelo mesmo, e o jovem Darwin Nunez, que custou uns incríveis 25 milhões de euros, vindo do modesto Almería, da segunda divisão. Acrescentaria, a custo 0, Verthongen, vindo do Tottenham Hotspurs.

Se juntarmos a estes reforços Gilberto, podemos dizer que o Sport Lisboa e Benfica gastou qualquer coisa como 100 milhões de euros em reforços, com esperança de finalmente competir com os maiores da Europa.

Maldito PAOK: Benfica falha a entrada na Champions

No Estádio Toumba, e a uma só mão, o Sport Lisboa e Benfica joga o apuramento para a Liga dos Campeões, perdendo por 2-1 para os da casa. Falhou, desta forma, o primeiro grande objetivo da época, tanto desportiva como financeiramente. Devido ao rombo no orçamento previamente assumido, Rúben Dias acaba por sair para o Manchester City, Otamendi faz o percurso contrário, e o Benfica é relegado para a Liga Europa.

Início da Liga NOS

Apostando no 4-4-2, o Jorge Jesus sacudiu a pressão com 6 vitórias consecutivas, repartidas entre a Liga NOS e Liga Europa. Inicialmente, apresentando o seu futebol de transição de alta qualidade, e com Darwin e Luca a oferecer e marcar golos, o Benfica parecia finalmente na senda do sucesso.

A 2 de Novembro, no entanto, cai o primeiro balde de água fria. O Benfica vai à casa do FC Boavista e perde por 3-0, em completo contraciclo com o que vinha apresentando. Uma equipa sem ideias, uma defesa lenta e incapaz de defender as suas costas, um meio campo frouxo nos processos de transição. Segue-se um empate contra o Rangers FC, por 3-3, na Liga Europa, e nova derrota, desta feita com o SC Braga, por 3-2.

Daí até janeiro, o Benfica fez os serviços mínimos em todas as competições em que estava: na Liga Europa, passa em 2º, atrás do Rangers, é eliminado da Taça da Liga, e vai ultrapassando as diferentes etapas da Taça de Portugal.

Notava-se, no entanto, que o plantel parecia não se adaptar à tática de ouro de Jorge Jesus. Não possuía zagueiros capazes de recuperar espaço rapidamente, laterais todo o terreno, nem um meio campista box-to-box para quebrar linhas. Talvez por tudo se ter tornado demasiado evidente, é em janeiro que o Benfica começa a testar outras alternativas.

A Retoma Negada pelo Covid-19

Janeiro começa com um Clássico, Benfica-Porto, em que, se o Benfica não encontrou no resultado os três pontos, retirou daí uma vitória moral. Foi claramente superior ao seu rival, e mostrou princípios de jogo diferenciados, bem como níveis de capacidade física e agressividade que faltavam desde 2 de novembro.

Logo a seguir, o Sport Lisboa e Benfica tem um enorme surto de covid-19, que apanhou um total de 17 membros da comitiva, incluindo jogadores, staff e mesmo o treinador, Jorge Jesus. Ele mesmo viria a culpar este surto pelo mau rendimento do time, por não ter tido tempo nem estabilidade para implementar as suas ideias. Em janeiro foi negociado também o zagueiro Lucas Veríssimo, hoje um dos melhores elementos no 11 do Benfica.

A partir daí, o Benfica titubeou durante toda a segunda metade da época, conseguindo apenas sucesso na Taça de Portugal, onde defrontará, no final da época, o SC Braga pelo título. Foi eliminado pelo Arsenal dos 36 avos da Liga Europa, e encontra-se, neste momento, a 10 pontos do primeiro lugar, matematicamente excluído do título, e com o acesso à Liga dos Campeões em perigo.