Últimas Notícias

Por que disponibilizar higienizadores de mãos no seu estabelecimento?

Entenda a importância dos higienizadores de mãos, obrigatórios nas atuais circunstâncias sanitárias.

Utilizamos as mãos em praticamente todas as atividades realizadas ao longo do dia: lidar com dinheiro, ir ao banheiro, comer, fechar e abrir portas, segurar corrimãos, entre outras. Há milhões de micróbios nelas e, embora a maior parte seja inofensiva, alguns podem ser nocivos.

Lavar as mãos é uma atitude simples que previne diversas doenças bacterianas e virais, podendo salvar vidas. Por isso, é extremamente importante para a saúde dos seus clientes, funcionários e até mesmo sua, que higienizadores de mãos, como dispensers com álcool em gel, sejam disponibilizados no seu estabelecimento.

Ainda que a sua loja possua mais de um banheiro, não é prático ir até ele sempre que for preciso lavar as mãos e os dispensers resolvem este problema, pois podem ser distribuídos em pontos estratégicos, como entrada, saída e próximos aos postos dos colaboradores.

No entanto, é preciso atentar-se a alguns pontos antes de fazer a instalação desse dispositivo, para garantir que ele funcione da forma correta e proteja as pessoas que frequentam o seu estabelecimento. Abaixo, confira quais são:

Tipos de álcool

O primeiro cuidado é o tipo de álcool que será inserido no dispenser, pois há três (saneante, medicamento e cosmético) e cada um deles é produzido sob registros da Anvisa e normas distintas. Além disso,  usar o saneante nas mãos, que possui na embalagem a descrição “desinfetante de uso geral”, pode desencadear alergias.

  • Cosmético (“antisséptico e/ou para higiene das mãos”): produto antisséptico destinado à higienização das mãos e da pele;
  • saneante (“desinfetante de uso geral”): produto destinado à desinfecção de superfícies (mesas, paredes, pisos, macas, camas, entre outras) e limpeza;
  • medicamento: possui a mesma finalidade de uso do álcool cosmético. As únicas diferenças são as exigências de registro e produção.

Cuidados na aquisição e armazenamento do álcool em gel

Além da precaução em relação ao tipo de álcool, também é importante mantê-lo longe de chamas, pois se trata de um material inflamável, e armazená-lo de acordo com as instruções indicadas pelo fabricante no rótulo da embalagem.

Outro cuidado imprescindível é adquirir somente produtos legalizados, devidamente registrados na Anvisa e no Ministério da Saúde, a fim de assegurar que o produtor apresentou as documentações necessárias para a comercialização. Embora mais baratos, produtos clandestinos não possuem comprovação em relação à sua atividade virucida, tampouco passam pelo controle de qualidade para determinação do teor exato de álcool etílico.

Por esse motivo, além das características do produto em si, também é aconselhado atentar-se ao estabelecimento em que o álcool está à venda. Não é recomendado adquiri-lo no mercado informal, pois não possui alvará de funcionamento e, consequentemente, não responde pela garantia do álcool. Ademais, vale ressaltar que adquirir produtos irregulares não autorizados expõe os seus clientes e colaboradores a variados riscos.

O álcool em gel é eficiente contra o coronavírus (COVID-19)?

A utilização do álcool em gel para a higienização das mãos é eficaz para a prevenção do coronavírus (COVID-19). De acordo com nota do Conselho Federal de Química (CFQ), assinada pelo presidente da instituição, José Ribamar de Oliveira Filho, o etanol (álcool etílico) é um eficiente antisséptico de pele e desinfetante de objetos e superfícies.

Para este propósito, “o grau alcoólico recomendado é 70%, condição que propicia a desnaturação de proteínas e de estruturas lipídicas da membrana celular e consequente destruição do microrganismo”, afirma. Ainda  de acordo com a entidade, o álcool etílico tem rápida ação sobre fungos, bactérias vegetativas (incluindo microbactérias) e vírus. Com isso, a higienização não apenas é equivalente à lavagem de mãos com água e sabão, como é até superior.