Últimas Notícias

Implementação do Open Banking também busca fortalecer correntistas e fintechs

6/9/2021 – O resultado esperado é a livre concorrência no setor e a entrada de um maior número de brasileiros no sistema financeiro

Além de ter o controle sobre quem possui seus dados, o cliente ainda terá facilidade para escolher na hora de solicitar crédito; startups financeiras democratizam acesso ao crédito

Em 13 de agosto, teve início o processo de compartilhamento de dados sensíveis de clientes bancários, mediante autorização, entre as instituições financeiras como bancos, cooperativas de crédito, meios de pagamento e fintechs. A permuta de informações faz parte das etapas de instauração do Open banking, no Brasil. Em resumo, a iniciativa do Banco Central (BC) tem como objetivo permitir que correntistas autorizem que outras organizações possuam seus dados para a oferta de serviços com condições competitivas no mercado.

O Open banking faz parte da Agenda BC#, lançada em 2019, e está diretamente ligado ao avanço da tecnologia voltada para os negócios. Tem como intuito agilizar a burocracia financeira, bem como democratizar o acesso a serviços bancários e de crédito. O resultado esperado é a livre concorrência no setor e a entrada de um maior número de brasileiros no sistema financeiro. Segundo o Banco Central, estima-se que 34 milhões de pessoas não têm conta ou vínculo algum com bancos ou parceiros autorizados pela entidade.

Mas qual a vantagem do Open banking e o que é possível, na prática, realizar por meio dele? Primeiro de tudo, é preciso saber que, ao autorizar o compartilhamento de dados, o cliente concorda que seu cadastro, como nome, número de CPF, e-mail e telefone, endereço; histórico de transferências e transações; extratos e operações de crédito em cartão, financiamentos e empréstimos serão enviados a outra base. A premissa é válida para pessoas físicas e jurídicas.

É por meio destes elementos que a concorrência poderá oferecer produtos com maior afinidade ao que o cliente necessita e captar novos negócios. “É possível compará-lo, por exemplo, com uma grande galeria ou um marketplace em que é possível encontrar uma infinidade de marcas, produtos e distribuidores. Ao negociar com a loja, o consumidor vai buscar a melhor negociação, custo-benefício, prazos de pagamento, entre outros fatores. Ao final, quem fizer a tratativa mais vantajosa ao cliente, fecha o acordo”, explica Felipe Avelar, fundador e CEO da startup Finplace (www.finplace.com.br), fintech que conecta de forma gratuita empresas que precisam de crédito com instituições financeiras.

Desta forma, além de ter o controle sobre quem possui seus dados, o cliente ainda escolherá com quem seguir, fugindo da maneira tradicional de obrigar-se a buscar o mesmo banco pelo vínculo correntista e que, historicamente, dificulta o acesso ao crédito. Vale ressaltar que o compartilhamento de dados é completamente digital, assegurado pelo Banco Central, gratuito e prático. 

Ou seja, a mais nova invenção do Banco Central coloca o cliente no centro da tomada de decisão e chancela a credibilidade de fintechs no mercado financeiro. Também inverte o fluxo dos negócios, uma vez que os bancos já não determinam mais as variáveis de intercâmbio de crédito, nem precisam servir de intermediador para o cliente, necessariamente. O tomador de crédito tem toda a liberdade de buscar pelas facilidades oferecidas pelas ferramentas tecnológicas das fintechs online. Deixa de existir a preocupação por parte da pessoa interessada no crédito em parecer devedora ou rejeitada pelas grandes instituições.

Enquanto as etapas para o fim da implantação do Open banking não terminam (a quarta e última inicia-se em dezembro deste ano), segue o esforço das fintechs em aumentar a confiabilidade perante micro e pequenos empresários que ainda buscam saídas de crédito no modelo antigo. As fintechs de modalidade de cessão giraram R$ 4,5 bilhões em crédito somente em 2020, segundo o Relatório de Economia Bancária do último ano. Isso mostra a credibilidade e o aumento da busca pela via facilitadora tão necessária no Brasil.

“A democratização do acesso ao crédito já é uma realidade, entretanto um processo longo. Somente quando consolidarmos a nova estrutura econômica e realizar maiores números de operações, contribuindo com a sociedade, teremos plena aceitação e diversidade de escolhas”, acredita Felipe Avelar, CEO da Finplace.

Website: http://www.finplace.com.br